Uma coisa que eu me orgulho aqui no Arquivos do Woo, é o fato de que nenhum tipo de jogo fica sem review.

Seja um eroge, um match-3, ou um shooter medíocre, se ele despertou interesse o suficiente pra um de nós querer jogar (e conseguir uma cópia do mesmo) e fazer análise, provavelmente a gente vai fazer a análise, a não ser que algo dê muito errado.

Claro, as vezes a vida é injusta, porque enquanto tem gente que joga Guilty Gear Strive, Hades e Clockwork Aquario, outros encaram Black Legend, Brave Match e Heal. É quase como se meu chefe me odiasse.

“Mas Sancini, foi você quem pediu os jogos”

Shhhhh.

O fato é que aqui, ao contrário de sites que só analisam os jogos da moda, jogamos de tudo, nem que pra isso tenhamos que encarar jogos que foram gerados por satanás. Ou por Hades. See what I did?

LEIAM – Hades | Um roguelike para todos governar

Enfim, dito isso… Eu não tive um tamagochi na minha juventude. E honestamente, não lembro se tive vontade de ter um.

Não sou eu querendo bancar o cool, eu realmente não lembro. O fato é que apesar de tudo, aparentemente ainda há um mercado pra esse tipo de coisa, visto que existem até mesmo jogos voltados a criação de bichinhos, sendo um deles o infame Pou.

Mas não é sobre Pou que irei falar, até porque nunca coloquei aquele criador de cocozinho no meu antigo celular, mas sim sobre Fantasy Friends, jogo lançado em 2020 para PC e consoles, que agora em 2021, ganhou uma continuação/expansão intitulada Under the Sea.

Será que ele vale seu tempo?

Fantasy Friends
Créditos: Just For Games

Crie seus poké, digo… Bichinhos.

A premissa de Fantasy Friends: Under the Sea é simples: Você, um ser sem nome ou face ou qualquer característica, vai parar no fundo do mar, e precisa cuidar de diversos bichinhos. Você ganha um ovo e precisa fazer carinho nele até nascer uma criatura.

Dê banho, escove-o, faça carinho e alimente-o. Aos poucos, novas criaturas poderão surgir de ovos comprados e… É bem isso.

Você não tem uma história dita, e eu não tenho o menor saco pra escrever algo engraçado agora. Estou com fome e provavelmente não vou conseguir tirar a Marine no evento de colab do Caravan Stories.

Fantasy Friends
Créditos: Just For Games

Fica repetitivo rápido demais

Como eu devo ter dito em algum parágrafo acima, Fantasy Friends é um jogo de cuidar de bichinhos. Com bebês, você tem quatro atributos pra cuidar, alimentação, carinho, banho e escovação. Fazendo essas coisas, você gera uma pontuação que vai ser utilizada para adquirir ovos dos outros bichinhos.

E você tem que esfregar os ovos de tempos em tempos para poder fazer com que os bichos nasçam. Depois de algum tempo sob seus cuidados, os bichos assim como digimons, evoluem, e aí além dos quatro atributos mencionados no parágrafo anterior, existe um quinto atributo que é a diversão dos bichinhos, que significa que você terá que brincar com eles.

E a alimentação deles muda quando os bichos evoluem. Agora, ao invés de botar os bichinhos pra mamar na mamadeira, você terá que fazer a comida deles. E é aí que mora o mínimo de variedade do jogo. Porque todas as outras tarefas do jogo ficam repetitivas… MUITO RÁPIDO.

LEIAM – Rainbow Billy: The curse of the Leviathan | Recolorindo o mundo

Para fazer a comida dos bichinhos, você terá que fazer mini games simples e variados. Assim como a brincadeira com eles, que se resumem a outros mini games simples e variados. O problema é que eles não duram tempo o suficiente para que VOCÊ se divirta, já que não demora pra barra encher.

E é basicamente isso o que tem no jogo. Você pode comprar roupas novas pros personagens, novas skins (que na hora da compra são aleatórias), brinquedos pra brincar (nas brincadeiras de sacudir o chocalho e jogar a bola/frisbee), escovas/esponjas pra escovar/limpar determinados bichos e objetos pra decorar o hub principal.

Honestamente, eu sei que o jogo é direcionado a um público mais infantil, mas esse é o tipo de mecânica de gameplay que funcionaria num jogo de celular, e não em um jogo lançado para PC e consoles.

Porque cuidar do bichinho é uma coisa que pode distrair em uma tela de celular, fazendo de tempos em tempos, mas acaba não engrenando numa plataforma maior. É tedioso demais por um longo tempo.

Fantasy Friends
Créditos: Just For Games

O jogo é bonitinho, isso tenho que admitir

Uma coisa que eu posso elogiar de verdade nesse jogo, são os visuais. Ainda que não sejam o top do PS4, não chegam a ser uma completa desgraça. Os modelos dos bichinhos passam a estética de adorável pretendida, e cada bicho é expressivo o suficiente pra ser meio único…

Ainda que sejam versões marítimas dos bichos do Fantasy Friends original. Os cenários são até que passáveis, e falando aqui de jogos marítimos, superiores aos de Trenga Unlimited.

Quanto a parte sonora do jogo, não fede nem cheira. Não incomoda, mas não é algo que vou sair do meu caminho pra ouvir, porque são melodias esquecíveis. E os sons dos bichinhos… Bem, eles existem.

Créditos: Just For Games

Concluindo

Não quero ser extremamente negativo, porque do ponto de vista mecânico e gráfico, Fantasy Friends: Under the Sea não é um jogo ruim.

Porém, o gênero não funciona bem em consoles porque ele acaba sendo repetitivo rápido demais. E acaba tornando a experiência meio tediosa.

Talvez no Switch em modo portátil ele funcione melhor? Não sei, o veredito é que eu não recomendo.

Fantasy Friends: Under the Sea está disponível para PC, Nintendo Switch e PlayStation 4.


Essa análise foi feita com uma cópia digital de PlayStation 4 gentilmente cedida pela Just for Games.

Author: Geovane Sancini

Geovane, mais conhecido como Sancini (ou Kyo, se você for velho o suficiente pra lembrar do nick antigo dele) é um escritor e speedrunner que joga videogames desde que se entende por gente.