Eu queria muito ter o Know How pra poder lançar um jogo comercial. Sério, eu tenho ideias, mas tenho 0 paciência pra estudar programação.

Provavelmente eu já esqueci os pormenores da Ren’py porque eu sou sempre dois passos pra frente, um passo pra trás na hora de fazer uma visual novel. Porque estou digitando isso? Só pra enrolar, não tenho assunto relevante pra abrir o texto.

LEIAM – Rainbow Billy: The curse of the Leviathan | Recolorindo o mundo

Mas eu queria, em algum momento futuro, realmente lançar um jogo comercial. Mesmo que ele nunca apareça em consoles e seja criticado na STEAM, só de lançar um jogo seria uma realização pessoal. Porém minha falta de motivação, aliado a um equipamento horrível sempre me impediram. Dito isso, vamos parar de enrolar.

Em 2019, a Petit Games (Super Destronauts DX, Inksplosion), junto com a Ratalaika Games, lançou Bouncy Bullets, um jogo de plataforma/tiro em primeira pessoa. O foco do jogo era basicamente realizar os desafios de platforming o mais rápido possível, sendo um jogo ideal para speedruns. E agora em 2021, o jogo recebeu uma continuação. Confira conosco se ele vale a pena o seu tempo.

Bouncy Bullets 2

O jogo não tem uma história, e não quero inventar uma

Bouncy Bullets 2 funciona exatamente como o primeiro jogo, são 45 fases onde se deve chegar até um portal, passando por diversos obstáculos.

Nessas fases, um hit e você morre, seja um tiro dos inimigos, ou cair nos espinhos, na água, ser atingido pelo fogo, pelo canhão ou pelo laser. Mas não tema, o jogo não é tão difícil quanto pode se parecer, e os inimigos também podem ser mortos. Você tem 3 tipos de inimigo, rosas, amarelos e pretos.

Os rosas você mata com os tiros rosa (gatilho direito), os amarelos você mata com os tiros da mesma cor (no gatilho esquerdo) e os inimigos pretos, se mata com um tiro ricocheteado na parede. Caso você mate os “inimigos cinza”, morrerá (tem um aviso enorme avisando disso).

LEIAM – Phantasy Star I – Diário de Bordo

O platforming no geral funciona como nos platformers de precisão (mas não exigem a mesma precisão), onde a velocidade e a fluidez dos seus movimentos serão a chave para terminar as fases o mais rápido possível.

Em diversas fases, gimmicks diferentes são apresentados, como os lasers, canhões, trampolins, canos de teleporte, etc. Mas apesar da dificuldade crescente, terminar o jogo (ou mesmo conseguir a platina) não deve exigir mais de uma hora do seu tempo, porém o jogo possui um bom fator replay com o modo speedrun, ideal para quem quer entrar no hobby.

Bouncy Bullets 2

Simples e colorido

Graficamente, Bouncy Bullets 2 é um jogo colorido. Tá, tem muito amarelo pro meu gosto, mas enfim. Os cenários não são detalhados, mas ao mesmo tempo são vivos. E graças a Deus não apostam naqueles modelos quadrados de pessoa que tem se tornado meio que moda em jogos independentes.

E temos leves diferenças nos cenários, comparando o modo normal do jogo, com o de Speedrun, nada muito significante, mas eu precisava definir aqui o parágrafo pra poder enrolar um pouco mais na análise.

A trilha sonora do jogo… É OK. Não ofende, mas são músicas que provavelmente (posso estar enganado aqui, mas vou assumir isso porque o jogo não possui tela de créditos) são Royalty Free. Nada contra, apenas apontando algo.

Fator replay e platina rápida

Bouncy Bullets 2 é o tipo de jogo que você pode abandonar depois de fazer a platina, ou sempre voltar a ele pra conseguir tempos menores em speedruns, se essa é a sua praia. Ele é meio que mais do mesmo em relação ao seu antecessor, então se você jogou o primeiro Bouncy Bullets, talvez não tenha razão pra jogar o segundo. A não ser que esteja numa promoção.

Bouncy Bullets 2 está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series S|X.


Essa análise foi feita com uma cópia digital de PlayStation 4 gentilmente cedida pela Ratalaika Games.

Author: Geovane Sancini

Geovane, mais conhecido como Sancini (ou Kyo, se você for velho o suficiente pra lembrar do nick antigo dele) é um escritor e speedrunner que joga videogames desde que se entende por gente.