A história de hoje começa num daqueles momentos mais aleatórios possíveis. Estava eu entediado num sábado a noite, navegando na PSN (vocês não imaginam a quantidade de bosta que tem lá, mas “Cyberpunk 2077 não se encaixa nos nossos padrões de qualidade”, OK, Sony, a gente FINGE que acredita nas suas merdas…) na aba de jogos grátis, e me deparo com o jogo dessa análise e bem, é gratuito, né?

E bem, jogos educativos usualmente não são divertidos. Claro, existem exceções como a franquia Carmen Sandiego e Oregon Trail (que apesar de não ter o mesmo alcance aqui no Brasil é considerado clássico cult nos EUA), mas usualmente jogos educativos tendem a ser extremamente pedantes, e querer ensinar sem ser divertido. E crianças não são as pessoas mais pacientes do mundo.

LEIAM – Ghostrunner | Estilo em primeira pessoa

Mas bem, o estúdio escocês Stormcloud Games (responsável por Brut@l, de PS4/PC), encomendado pelo National Westminster Bank, um dos principais bancos do Reino Unido, teve a tarefa de criar um jogo direcionado ao público infantil, que conscientizasse o mesmo a respeito do meio ambiente, economia de dinheiro e impostos, sem parecer idiota no resultado. E assim, surgiu Island Saver.

Será que ele cumpriu o proposto?

Lixeiro da Ilha

Island Saver

Você é um Bionauta, e chegou nas Ilhas dos Espertos, com uma missão: limpar o negócio, porque o local está mais sujo do que as ruas brasileiras no dia depois da eleição. Não apenas há sujeira por toda parte, mas uma gosma que parece saída de Mario Sunshine.

A limpeza deve ser feita para que os animais, que fugiram devido a sujeira, retornem para a ilha. Não é a premissa mais original do mundo, basicamente somos um lixeiro glorificado.

First Person… Cleaner?

Island Saver é um jogo em primeira pessoa, que mistura um pouco de gerenciamento de finanças e First Person Shooter. A sua única arma possui duas funções, sucção e tiro, com a sucção, você pode aspirar dinheiro, água, lixo, alimentos, impostos, dentre outras coisas.

Os objetivos do jogo são simples, limpe uma área, aspirando o lixo e lavando os resíduos de gosma, assim atraindo os animais. Quando os animais consumirem alimentos o suficiente, aspire as moedas e o bichinho estará livre (porque os animais tem entradas de moeda feito cofrinhos.)

Island Saver

As peças de lixo são jogadas em lixeiras apropriadas, separadas em plástico, metal e vidro, lembrando a importância da reciclagem (a cada 10 peças de lixo na lixeira, você ganha uma moeda). 20Conforme se avança, o jogo vai ganhando um pouquinho de complexidade pouco a pouco, com os impostos sendo adicionados, as plantas e os bichos do lixo.

Bichos do lixo são os inimigos do jogo que aparecem pra sujar novamente o local e devem ser eliminados com tiros de água. Eles não representam uma ameaça muito grande, mas acabam prolongando um pouco a sessão de jogo, especialmente os Mega bichos do lixo que precisam de diversos tiros para serem destruídos.

LEIAM – Morbid: The Seven Acolytes | Uma joia bruta

A maioria das coisas funciona, porém… A movimentação do personagem nem sempre é das melhores, muitas vezes, nas seções de plataforma, você vai acabar caindo porque a física é um tanto escorregadia. E os três mapas do jogo, você faz as mesmas coisas, com coisinhas aqui e ali sendo introduzidas, mas no fim do jogo você vai estar cansado porque repetiu o esquema de recolher lixo, limpar locais, derrotar criaturas do lixo, recolher dinheiro, comprar coisas, pagar empréstimos, usar os impostos para construir coisas, usar a máquina de câmbio, ir de um canto a outro do mapa, procurar os ovos escondidos e o jogo parece durar mais do que devia.

Sim, é uma campanha single player de três mapas que parece durar pra sempre. Mas, se eu posso apontar um positivo, que é algo que eu esperava que acontecesse e NÃO ACONTECEU. Um dos grandes perigos de um jogo com o público-alvo infantil, são as famigeradas micro transações (Fortnite, estou olhando pra você). Island Saver não as possui.

Claro, se você curtir o jogo, pode pagar 5 dólares em cada um dos dois mapas extras, e é só isso. Fico feliz que esses mapas de DLC sejam opcionais porque o jogo já parece mais longo do que é.

Colorido e bonitinho

Sem sombra de duvidas, Island Saver é um jogo bonito. Não é o mais estelar dos jogos, mas considerando que é um jogo gratuito e educativo, ele cumpre bem seu papel visualmente falando. Os cenários são chamativos, vibrantes e os personagens, razoavelmente bem animados.

Obviamente, nada demais, se compararmos com grandes jogos, mas se quiser chamar a atenção pelas cores e clima, Island Saver acertou em cheio com o visual cartunesco.

Infelizmente o mesmo não pode ser dito da trilha sonora do jogo, que não é nada memorável. E os efeitos sonoros são básicos, mas esquecíveis.

Um bom primeiro FPS para crianças, que tropeça na própria ambição

Como jogo educativo, Island Saver é cumpre seu papel, ele ensina através das próprias mecânicas, algumas coisas básicas sobre planejamento de finanças, proteção do meio ambiente e até mesmo caridade. Porém, talvez a necessidade de estender o gameplay, tenha deixado a jogatina mais arrastada do que deveria. Se fossem ilhas menores, e tipo, cinco ou seis estágios, talvez o jogo não fosse tão cansativo.

Sem contar que fazer a mesma coisa numa ilha para fazer o mesmo na seguinte e na seguinte, diminui um pouco o valor da experiência. Como um primeiro FPS para crianças, Island Saver é competente, mas não espere nada revolucionário ou avassalador.

Mas, qualquer pessoa que vai pegar, vai ser somente para fazer 100% das conquistas (que podem ser feitas basicamente terminando o jogo) e nunca mais tocar no jogo, pois não oferece nenhum incentivo para rejogar.

Island Saver é gratuito e está disponível para PC, Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One, iOS e Android. A análise foi feita com base na versão de Playstation 4.

Author: Geovane Sancini

Geovane, mais conhecido como Sancini (ou Kyo, se você for velho o suficiente pra lembrar do nick antigo dele) é um escritor e speedrunner que joga videogames desde que se entende por gente.