Introdução

Ghostrunner é um game sobre ser estiloso. Assim como outros games como em Mirror Edge, o jogo é em primeira pessoa mas não usamos armas de longa distância.

LEIAM – Kaze and the Wild Masks | Análise

Nosso ninja protagonista tem como objetivo cortar os inimigos da maneira mais rápida possível, evitando os inimigos que podem matá-lo com um único ataque.

Gameplay

Ghostrunner flui de maneira bem rápida. Correr, pular, esquivar e atacar acontece de maneira veloz e fazem com que o jogador tenha seus reflexos testados à todo momento.

O protagonista tem movimentos bem avançados, que vão sendo requisitados pelo jogo com mais frequência e perícia ao longo do tempo.

Em determinada parte bem no início, é necessário correr entre duas paredes opostas, pular num ponto mais alto, matar um inimigo e fugir para o lado para não morrer para outro que está mais adiante.

Como os ataques inimigos te matam facilmente, existe um sistema de checkpoints que é ativado a cada setor curto do jogo. Esses saves carregam instantaneamente, fazendo com que o jogador nunca espere uma tela preta de loading entre as tentativas de passar dos locais onde ele empacou.

Apresentação

O game se passa num cenário bem cyberpunk, com muita luz neon nos prédios e letreiros, além de fumaça saindo das saídas de ar, presentes por todo cenário. Confesso que estou um pouco cansado desse estilo visual, mas aqui ele se encaixa com o jogo perfeitamente.

A história também é basicamente apenas narrada, sem atrapalhar a rapidez da jogabilidade, o que é um ponto muito positivo, visto que esse game poderia facilmente cair no erro de cortar a ação desenfreada com cutscenes fora de tom.

Ghostrunner

Existe também um sistema de upgrade meio esquisito onde você pode alterar suas habilidades. Elas se apresenta em formas de bloquinhos parecidos com os de TETRIS, e o jogador precisa colocá-los da melhor maneira possível no espaço limitado.

CONFIRAM TAMBÉM – Super Mario 3D World + Bowser’s Fury | Análise em Vídeo

Esse sistema parece que foi criado somente pra ser diferente, pois ele não apresenta nada em termos de narrativa e também não parece mais favorável do que uma progressão mais linear de habilidades. Existe, mas poderia facilmente ser mais normal.

Conclusão

Ghostrunner

Ghostrunner apresenta uma ação desenfreada que funciona perfeitamente, pelo menos se você estiver usando teclado e mouse.

Mesmo com um loop de gameplay onde o jogador morrerá constantemente, o jogo deixa sempre aquela vontade de continuar tentando até conseguir passar das partes difíceis.

Porém, sua duração de seis à oito horas me parece um pouco demais pra um game com mecânicas que se repetem muito, ainda que divertidas.

____________

Essa análise foi feita com uma cópia do game fornecida pela distribuidora.

Author: Tony Santos

Proto-engenheiro eletricista, amante dos bons jogos e crítico incondicional de coisas que eu não gosto.