Introdução

A geração do 3DS chegou ao seu fim. Muitos jogos lançados para o console são lembrados com muito carinho, como Super Mario 3D World, os remakes de Zelda Ocarina of Time e Majora’s Mask, Metroid: Samus Returns, Animal Crossing: New Leaf e Fire Emblem: Awakening. Mas existem aqueles jogos menos populares, como os que ficaram limitados a lançamento digital via eShop.

É o caso da duologia Gunman Clive HD Collection.

Cowboy que pula e atira

Criado pela desenvolvedora indie sueca Hörberg Productions e lançado inicialmente para Android em 2012, o jogo é do gênero de plataforma 2D (apesar dos gráficos serem em 3D), onde controlamos Clive, um cowboy do ano 18XX que deve atravessar 20 fases (16 na versão Android original) para salvar a filha do prefeito, tudo isso no maior estilo Mega Man clássico, com inimigos e armadilhas do cenário que se comportam de forma muito semelhante a alguns elementos da série do robozinho azul, o que tornam o jogo extremamente prazeroso por si só.

Diferenças entre cowboy e robô

Mas não pense que  o jogo se resume a uma cópia de carbono do game da Capcom. Os dois jogos possuem diferenças que, mesmo sutis, fazem com que ele seja uma experiência divertida e até mais suave que os primeiros jogos do Mega Man.

Primeiramente, temos as fases mais curtas, durante cerca de 1 a 2 minutos se você souber o que está fazendo. Pra compensar essa duração, nenhuma delas possui checkpoint; isso mesmo, morreu perto do fim, volte para o começo. Parece difícil, mas somente se o jogador for tentar jogar nessa dificuldade, já que no modo normal tudo flui de forma muito tranquila, com um desafio adequado que não vai te fazer arrancar os cabelos.

LEIAM – Mega Man X Legacy Collection 1+2 | Analise definitiva

Além disso, o arsenal de Clive é mais limitado. Ele pode adquirir um pequeno set de armas, que caem aleatoriamente dos inimigos, que ajudam mais aqueles que tentarem fazer speedrun dos games.

Temos também personagens extras, como a própria filha do prefeito, um chefe indigena e … um pato. Não faltam opções pra jogar novamente, até porque cada um deles possuem controles totalmente diferentes.

Gráficos

No primeiro título, temos um jogo graficamente bem simples, com cenários 3D mas com um efeito de rascunho e um tom de sépia que remete a imagem que temos do gênero de faroeste. A trilha sonora, apesar de não ser espetacular, remete também aos filmes de Clint Eastwood e afins.

A sequência, por sua vez, leva isso um passo a frente, nos dando um game com mais cores e cenários mais variados, como florestas e fases noturnas, dando um sabor mais variado de tonalidades.

LEIAM – Especial (Atrasado) de Páscoa | Chocolates & Mega Man

Outra correção feita no segundo título foi a criação de fases mais dinâmicas, com casas quebrando e gerando plataformas conforme o jogador passa, o que era uma falha do primeiro jogo, onde tudo parecia muito estático, realmente lembrando o primeiro Mega Man.

CONCLUSÃO


Gunman Clive HD Collection não vai fazer ninguém pedir um amiibo do personagem ou sequer um terceiro game, mas realmente é um daqueles indies que merece ser jogado E zerado, pelo menos uma vez. O esmero e dedicação da empresa sueca ficam na cara enquanto você joga, com uma apresentação muito boa e jogabilidade igualmente formidável.

Os dois títulos custam cerca de R$ 10 (pelos dois games!) e estão disponíveis para Windows, 3DS/2DS, Wii U e Nintendo Switch. Usuários de iOS e Android podem jogar somente o primeiro jogo. Ah, ambos podem ser adquiridos individualmente, então não tem desculpa pra não jogar.

_____________

Esse review foi feito com uma cópia pessoal do jogo no Nintendo Switch.

Author: Tony Santos

Proto-engenheiro eletricista, amante dos bons jogos e crítico incondicional de coisas que eu não gosto.