Two Point Hospital certamente é um daqueles jogos que nasceu para o PC, mas é tão divertido que seria maldade deixá-lo restrito aos PCs.

Pra quem chega agora e não tem ideia do que se trata Two Point Hospital, saiba que se trata do sucessor espiritual Theme Hospital. Um simulador de hospitais que fez muito sucesso nos idos 90. Lembrando que naquela época tínhamos um grande número de jogos do gênero de simulação, que iam de parques de diversão a zoológicos – Jurassic Park ganhou até um game do gênero recentemente.

Mas não estamos diante de um jogo que tem o objetivo de ser chato e se prender a física do mundo real. O jogador terá que lidar com as mais absurdas doenças possíveis e filas quilométricas de enfermos.

Vistam os jalecos e me acompanhem durante nossa inspeção em Two Point Hospital, nos consoles.

UM RETORNO AO PASSADO

Two Point Hospital | Tão divertido nos Consoles quanto no PC

Eu tive o prazer de conhecer Theme Hospital ainda no  PlayStation e tornou se rapidamente o meu favorito por motivos de nostalgia. Eu sei que se trata de um jogo que certamente não agrada a todos, mas se você der uma chance, você até pode mudar rapidamente de opinião ou quem sabe até curtir o gênero.

Diferente dos jogos ditos convencionais, aqui temos um simulador/administrador de hospitais que consiste em você gerenciar todas as etapas de um hospital, assim como seu antecessor.

LEIAM – 5 Motivos para você Comprar um Mega Drive

Two Point Hospital surgiu para cobrir a lacuna deixado por TH, o que fez muito bem. E falando sobre o jogo.

Um dos maiores desafios em Two Point Hospital é lidar com a superlotação dos corredores. São milhares de enfermos em busca de um rápido atendimento e a única forma de atendê-los de maneira rápida e tentar diminuir o volume das filas, é contratar.

O que nos leva aos aumentos  de salário e as promoções que cada um dos seus respectivos trabalhadores vão exigir, afinal, ninguém aqui quer trabalhar muito e não ser recompensado por isso, certo?

DIFICULDADE NA MEDIDA

Isso acaba gerando frustração quando se começa a jogar, pois aquela quantidade absurda de pacientes morrendo e transitando na forma de fantasmas mexe com nossos nervos. Mas com um pouco de calma e paciência é possível contornar a situação.

Uma das coisas que aprendi depois de muito quebrar a cabeça e vou compartilhar com vocês, é que o ideal é priorizar a triagem e o setor de diagnostico.O que não puder tratar tu manda embora pra casa, assim a popularidade do hospital não diminui e evitar uma montanha de corpos no saguão.

Outra dica importante é calcular o número de funcionários de modo que tenha reposição para a vaga deixado pelo profissional que foi descansar no conforto. É muito importante nunca deixar os consultórios vazios.

MUSICA BOA PRA PASSAR HORAS

Deixando um pouco de lado a parte pratica do jogo, é preciso destacar que a trilha sonora do jogo é maravilhosa. Desde que comecei a jogar Two Point Hospital não paro de cantarolar as músicas do jogo, o que me remete a excelente trilha sonora do The Sims 2.

É possível passar horas e horas jogando sem se irritar com a música que se mantêm sempre agradável.

Em jogos como de simulação ela é de extrema importância, afinal, uma trilha sonora mal pensada é capaz de estragar toda a experiência que possamos ter com o jogo. 

O que é em minha opinião, primordial, para uma jogatina proveitosa e prazerosa. Me apropriando da expressão utilizado por um colega: A trilha sonora é “Chique”.

UMA JOGABILIDADE DELICIOSA

Two Point Hospital | Tão divertido nos Consoles quanto no PC

Voltando a falar sobre a jogabilidade, um ponto que achei muito interessante e coerente para a proposta foi a sala de treinamento, onde seu personagem precisa estudar para adquirir novas habilidades.

Por exemplo: Um doutor pode ter a habilidade de pesquisa e ensinar ela a outro médico e assim por diante.

É preciso criar uma sala de estudos e selecionar os funcionário que você quer melhorar suas habilidades. Lembrando que se trata de investimento financeiro e tempo, pois aquele funcionário não ficara disponível durante o processo.  São detalhes como esse que me faz gostar tanto de jogos de administração.

Levei algum tempo também para aprender a lidar com a questão de preços, cada tipo de serviço oferecido tem um custo e preços altos tendem a fazer pacientes a se negar a pagar.

Jogar os preços lá embaixo querendo fazer caridade vai  levar o hospital a falência e te endividar no empréstimo.

O banco adora e vai te notificar se não pagar, além de fechar o teu hospital ao chegar na bagatela dos 300.000$,  então é preciso ficar de olho a todo momento e ver se tal serviço deve ser aumentado de modo que  justifique o pagamento do profissional e caiba no bolso do paciente.

Tem que trabalhar para agradar todo mundo, mesmo sendo quase impossível.

CONCLUSÃO

Two Point Hospital | Tão divertido nos Consoles quanto no PC

Two Point Hospital é um jogo que não há pontos negativos se você entender sua proposta. Os gráficos são simples e polido e os personagens são bem simples, o que explique o jogo ser tão dinâmico e não apresentar enrosco ou qualquer bug. 

Na realidade eu fiquei bem surpreso de nenhum bug de personagem preso ou coisa do tipo. Há momentos que parecem formigas fervilhando na tela, isso é realmente bem legal de se ver.

LEIAM – Descoberto a Solução para o save Corrompido de Perfect Dark

A jogabilidade é bem fluida, apesar de ter nascido no PC a conversão para os consoles foram muito bem adequadas ao joystick tornando bem simples os comando, sem geral qualquer estresse na hora de posicionar câmera ou virar objetos.

Os atalhos também funcionam e se tornam essenciais, coisa que você assimila muito rapidamente.

Infelizmente não é um jogo para todos, mais por conta de se tratar de um nicho de saudosistas e amante de jogos de administração, mas que recomendo fortemente que todos deem uma oportunidade ao jogo.

E se você tem um Xbox One, saiba que o jogo está disponível no serviço, então dê uma chance a Two Point Hospital e se torne um grande administrador.

O jogo foi analisado com uma chave digital para Xbox One gentilmente cedida pela SEGA

Author: Diogo Batista

Criador e Editor-Chefe do Arquivos do Woo, além de ser um eterno apaixonado por retrogames e RPGs clássicos. Sua rede social favorita é o Twitter: https://twitter.com/cyber_woo Sigam-me os bons, maús e os feios !!!