01/05/19 - Arquivos do Woo

"Ouça minha história. Essa pode ser nossa última chance"

E é com essa frase aparentemente sem sentido que Tidus, nosso protagonista, nos cumprimenta na cena de abertura do jogo, ao lado de um grupo de personagens que viriam a ser seus companheiros de batalha.

Minha relação com Final Fantasy X foi igual a de um relacionamento à distância que nunca vai à lugar nenhum. Conheci o jogo graças a meu amigo Alexis, que me apresentou uns vídeos de gameplay filmados de um telão, com muitas pessoas gritando enquanto Tidus -- o protagonista loiro -- andava pelo mapa do início do jogo e enfrentava algumas batalhas aleatórias.



À época, eu estava afastado das novidades dos games; em 2001 eu tinha meros 10 anos e ainda jogava meu PS1, que ainda recebia lançamentos importantes como Mega Man X5, Tony Hawk's Pro Skater 3 e Time Crisis: Project Titan. Logicamente, depois de anos acostumado com os gráficos serrilhados deste console, ver a fluidez gráfica desse Final Fantasy novo foi algo além da minha compreensão.


Capcom tem feito um trabalho incrível ao longo dos últimos anos, isso é inquestionável. Disparado uma das produtoras que mais trouxe lançamento incríveis ao meu ver, a começar por Resident Evil 7 que foi um divisor de águas da franquia, e o maravilhoso Resident Evil 2 Remake, que já escrevemos nosso review aqui no site.

Com isso digo a vocês que Onimusha Warlords é mais um desses grandes lançamento da Capcom na geração atual de consoles. Estamos diante de um jogo que por pouco não se tornou um Resident Evil com espadas, mas que acabou tomando um rumo diferente e criando uma identidade própria, mesmo trazendo consigo diversos elementos que tornaram a franquia RE famosa.

Quais seriam esses elementos? Bem, me acompanhe que irei contar a vocês




Já falamos anteriormente tudo sobre a versão do jogo feita para PS4 em nosso review, que você pode ler nesse link aqui. Mas agora vamos apontar às novidades que chegaram recentemente a versão atualizada do jogo, feita para os consoles Nintendo Switch e Xbox One.



Podemos dizer que a fórmula criada em Smash Bros apesar de simples e muito bem executada, abriu as portas do que hoje conhecemos como o gênero Brawler. Se você é mais velho (tem os seus 30 e pouco), sabe que o jogo The Outfoxies foi pioneiro na ideia de enfiar vários personagens em uma arena para se digladiarem, mas a Nintendo elevou o nível da brincadeira.

Consequentemente outros títulos tentaram recriá-la, poucos se saíram bem o suficiente para não cair no esquecimento, porém, Brawlout parece ter acertado não só na execução, como na hora de criar sua própria identidade. 

Reunindo personagens próprios e adicionando protagonistas de outros jogos indies, podemos dizer que Brawlout está encorpando e criando o seu diferencial e merece a sua atenção, me acompanhem.


Uma das principais plataformas de vídeo do mundo confirma presença na BGS 2019 com uma área duas vezes maior que o ano passado, os principais influenciadores de games e atrações para todos os perfis de visitantes; evento será realizado entre 9 e 13 de outubro, em São Paulo/SP

Ainda faltam cinco meses para a Brasil Game Show, que será realizada entre 9 e 13 de outubro, no Expo Center Norte, em São Paulo/SP, mas a maior feira de jogos eletrônicos da América Latina já anunciou nomes de peso para sua 12ª edição, tanto no que diz respeito aos expositores, quanto aos convidados internacionais. 


Aquiris anuncia roadmap que traz uma série de novidades para a comunidade de jogadores.

A estrada até aqui foi cheia de emoções e conquistas, como era de se esperar.

Horizon Chase Turbo mirou no horizonte e acertou em cheio o coração dos fãs do gênero, se reinventou e com muitas novidades ganhou espaço através de reviews, prêmios e conquistas.