Hoje resolvi trazer algo diferente, graças ao vídeo em homenagem ao dia dos pais, que meu amigo Vigia em conjunto do Issui produziram. O teor do vídeo realmente mexeu comigo, por isso me motivou a querer contar um pouco da minha relação com meu pai e os jogos.

Uma das coisas que devo dizer é que os jogos chegaram em minha vida ainda muito cedo, sendo que o primeiro console no qual tive contato foi o Master System, alias, eu já falei sobre isso: O Primeiro Console a Gente Nunca Esquece!.

LEIAM – Resident Evil | Será que os filmes são ruins?

Nessa época meu pai até chegou a jogar Master System algumas vezes com meu tio e meu irmão, mas as coisas ficaram bacanas mesmo quando ele comprou o Super Nintendo em umas 500x. Sério, eu não lembro em quantas vezes ele parcelou o console, mas parecia que foram em anos, pois, de vez em quando reclamava que não terminava nunca de pagar.

Bem, o console acompanhava o Super Mario World, o que tornou as nossas noites em família muito mais divertidas. Uma pena que depois ele conheceu o International Super Star Soccer e o vício tomou conta dele, mas durou só até o tempo do meu velho descobrir os belíssimos gráficos 3D do jogo Resident Evil.

Meu pai e seu vicio em Resident Evil

Meu pai ficou extasiado naquele momento. Recordo que havíamos ido a locadora para pegar alguns jogos e ficamos uns 40 minutos assistindo um rapaz jogando Resident Evil. O rapaz até mesmo cedeu os controles para eu jogar aquele jogo super realista. Lembro de ter ficado confuso com a movimentação e entrar diversas vezes no menu do jogo, mas em meu inconsciente eu gritava: SANTA MÃE DE DEUS!! QUE JOGO MAIS LOUCO!! PAI VOCÊ PRECISA COMPRAR.

Saímos de lá conversando sobre o quão maravilhoso e potente aquele console era e porque devíamos comprar o quanto antes. Meses se passaram até que finalmente meu pai comprou o PlayStation. O console tinha apenas o disco de demo de jogos, mas não impedíamos de jogarmos por horas Cool Boarders, Crash Bandicoot 2 ou Star Wars Masters of Tera Kasi.

LEIAM – Resident Evil 2 Remake | Uma aula de como se faz um remake

Tempos depois, durante uma compra de alguma coisa nas Lojas CEM, meu pai comentou a respeito do magnífico console que tínhamos em casa e na falta de jogos, visto que apenas alugávamos. Eu não tenho ideia de como ele entrou nesse assunto com o vendedor, mas o vendedor disse que vendia jogos alternativos e que poderia pegar os jogos que meu pai quisesse.

Meus olhos brilharam naquele momento!

Algumas semanas depois tínhamos o Resident Evil e Resident Evil 2 em nossa casa, além de outros que não recordo – Pow, to velho, a memoria não ajuda mais.

Passamos meses jogando Resident Evil, todos nós eramos o suporte na hora das jogatinas. Minha mãe preparava tudo antecipado para que durante a noite nós pudéssemos ver meu pai jogar.

Isso me lembro um sábado em que ele começou a jogar por volta das 9:00 da manhã e varou o dia, sendo que por volta das 22:00 e alguma coisa, eu me deitei no sofá para assisti-lo jogar, mas dormi. Acordei as 6 da manhã e lá estava ele orgulhoso por ter avançado no jogo sem ajuda de revistas – Mal sabia ele que minha mãe acordaria e daria aquele esporro por ele dar mal exemplo.

O interessante é que eu morro de medo desde aquele tempo, apesar de jogar com ele, eu sempre tive pavor, mas adorava auxiliá-lo durante sua jornada. Meu velho chegou a travar de nervoso na fase de enfrentar a cobra. Minha mãe gargalhava, mas sempre o incentivamos a continuar.

Depois de muito sofrimento ele conclui a campanha do Resident Evil com a Jill, mas agora tínhamos o desafio de terminar Resident Evil 2.

Meu pai e seu vicio em Resident Evil

Resident Evil 2 foi um dos jogos que eu o bundão joguei muito, mas as jogatinas do meu pai foram as melhores. Nosso primeiro contato com esse jogo antes de comprá-lo foi através da versão japonesa: Biohazard 2.

Era divertido, pois não tínhamos memory card, então fazíamos tudo em uma jogada só e torcendo para não ser morto por qualquer zumbi. Estávamos orgulhosos de avançar tanto sem morrer. Bem, isso mudou ao chegarmos nos esgotos com o Leon.

O crocodilo gigante atacava o Leon, mas quando corríamos para ativar o cilindro de gás, a tela mudava e surgia uma mensagem em japonês. Meu velho surtou naquele momento. Acreditávamos que pudesse ter sido algum outro problema e refizemos a jogatinas mais duas vezes e sempre o mesmo problemas. Naquele dia percebemos que o memory card era imprescindível.

Semanas se passaram e meu pai já havia comprado a versão alternativa americana. Jogava praticamente todos os dias. Família sempre se reunindo durante a noite para as jogatinas, enquanto meu pai ainda perdia noites de sono para progredir no jogo. Em pouco tempo ele terminou os dois cenários de cada personagem e desbloqueou o extra HUNK.

Eu o admirei por um bom tempo pelo feito de concluir os Resident Evil. Achava o máximo ter um pai que jogava vídeo games conosco e conversava a respeito das transformações do William Birkin. Apesar dele ser babaca as vezes e nos proibir de mexer no console ou ficar jogar PES. As vezes até levava o cabo de força para o trabalho ¬¬

LEIAM – 5 Motivos para você Comprar um Dreamcast

Acredito que muito do meu amor pelo PlayStation esteja ligado ao fato de ter sido uma das fases em que meu pai mais jogou ao lado do meu irmão e eu. Hoje aos 31 eu sinto um pouco de falta dessa proximidade que o vídeo game havia nos proporcionado naquele tempo.

Bem, é isso, espero que tenham apreciado esse fragmento do meu passado envolvendo meu pai. O texto ficou um pouco corrido, mas acho que consegui transmitir um pouco da nostalgia que o dia de hoje está me proporcionando.

FELIZ DIA DOS PAIS!

Abaixo vocês conferem o vídeo do Especial do dia dos Pais:

Author: Diogo Batista

Criador e Editor-Chefe do Arquivos do Woo, é um eterno rabugento. Opta por investir seu tempo entre games, filmes, livros e sua família à perder tempo discutindo na internet.