Faz algum tempo que estou jogando o jogo “My Night Job“, acabou que por conta das correrias do dia-a-dia demorei um pouco para falar a respeito, mas cá estou para me retificar, pois vocês precisam conhecer esse fantástico jogo brasileiro.

Indo direto ao ponto, My Night Job, coloca o jogador no controle de Reggie, um cara que decide fazer uma grana extra como mercenário, e se vê incumbido da missão de resgatar 100 pessoas em uma mansão infestada de monstros, zumbis, gárgulas, ratos, dobermanns.

É ai que o jogo desenvolvido pela Webcore Games brilha, estúdio composto pelo gamer designer Philip Magione e o artista Bruno Speranzoni, que fazem uso dessas figuras emblemáticas para entregar um jogo divertido.

Uma divertida homenagem

Não só as criaturas são uma homenagem, como o próprio protagonista Reggie, que é uma homenagem a um dos protagonistas principais da franquia de filmes PHANTASM.

No filme, Reggie, interpretado pelo ator Reggie Bannister, é um sorveteiro de meia-idade que ajuda seus amigos na luta contra entidade The Tall man, interpretado pelo saudoso Angus Scrimm.

LEIAM – The Mansion of Hidden Souls | Um clássico do Saturn

É um filme de terror  hoje pouco conhecido, mas que certamente causou vários sustos na época. Eu recomendo inclusive.

Uma das coisas que me surpreendeu ao começar a jogatina, foi que eu esperava que desenrolasse uma história, afinal,  estava habituados a encarar jogos com enredos e reviravoltas, mas me deparei com um formato arcade bacana.

Modo arcade

My Night Job

O objetivo do jogo é fazer o maior numero de pontos enquanto salvar o maior numero de pessoas nas 26 áreas da mansão.

Pra isso você precisa focar no medido de combos e deixá-lo sempre alto para que consiga aumentar o número de pontos. Para auxiliar existem Power-Ups espalhados pela mansão, que dão aquela força para Reggie concluir sua missão e levar os sobreviventes até a área do helicóptero. E se você não for rápido o bastante, os monstros destruíram os quatros cômodos da mansão, que no caso é o medidor de energia/tempo.

É preciso se movimentar, nunca ficar muito tempo em apenas um cômodo, pois isso fará com que os inimigos se concentrem em um local e talvez você não consiga chegar a eles antes que acabem o andar. Os malditos começam a pular no piso como se estivessem no carnaval de Salvador.

Os sobreviventes

My Night Job

Os sobreviventes que você encontra pela mansão não são tão indefesos quanto parece. Alguns deles estão armados com tacos de golfe, machado e até mesmo armas de fogo, e vão auxiliá-lo a medida se avança pela mansão.

Alguns deles droparam itens médicos, dinheiro, armas e até a Power-Ups que realmente ajudam bastante e até faz repensarmos se vale a pena deixar alguns menos uteis para trás.

Bem, aqueles eram apenas humanos comuns, também temos os sobreviventes VIPS, personagens de filmes conhecidos, como a Samara (O Chamado) ou até mesmo o próprio Tall Man (Phantasm), que no caso oferece uma chave para uma porta secreta – Que ainda não consegui usar.

Existem alguns itens realmente bons e o fato dos inimigos serem numerosos, vale a pena vasculhar alguns andares de forma atenta. Com sorte você encontra uma das armas mais legais de todo o jogo: CHAINSAW.

A motosserra é uma poderosa arma que permite que você atravesse os cenários eliminando todos os inimigos apenas passando por eles. Melhor arma do game.

Conclusão

My Night Job é bom jogo e que certamente vai proporcionar muitas horas de diversão, se adora o formato arcade, onde a jogatina está mais focada nos números do que lhe entregar alguma história mirabolante profunda.

Talvez o único ponto negativo pra mim foi a configuração dos comandos no teclado, que não é nada complexo, mas tem por padrão o famoso AWSD , e isso pode acabar frustrando de leve. Felizmente temos a opção de jogar com um joystick que melhora bastante as coisas.

Fora isso, to aqui labutando para alcançar uma posição melhor, mas tá difícil, porém, já estou ali na 95º posição. Recomendo fortemente a jogatina, alias, o jogo pode ser adquirido pela STEAM ou na loja do PlayStation 4.

Author: Diogo Batista

Criador e Editor-Chefe do Arquivos do Woo, é um eterno rabugento. Opta por investir seu tempo entre games, filmes, livros e sua família à perder tempo discutindo na internet.