Hoje em dia são poucas as crianças que realmente querer curtir essa fase. Basta dar uma olhada no facebook para topar com milhares de mini-adultos. Eu, quando jovem queria saber de me brincar com meus “hominhos” e jogar videogame.

Sofri minhas paixonites infantis como qualquer outra criança, mas não conseguia abandonar meus brinquedos e games. Confesso que em determinado momento da minha infância, pensava que aos 20 anos eu estaria em um ótimo emprego, casado e com filhos.



Não deu nada certo, puta merda!

Porém, ter ideia da responsabilidades que estavam por vir no futuro me motivou a curtir ao máximo meus “Hominhos” e brincar com meu irmão e primos. Felizmente eu consegui ser criança nos anos 90 e talvez seja por isso que amo tanto reviver esses momentos hoje em dia.

Falando em reviver, hoje quero compartilhar com todos vocês, aquele que talvez seja uma lembrança que guardo com muito carinho e que rolou em uma manhã de Páscoa.

Acordei bem cedo e enquanto meu irmão ligava o Super Nintendo, eu corria para geladeira pegar os ovos de Páscoa. Lembro que naquela pascoa ganhamos muitos ovos, então levei algum tempo para me decidir qual devorar primeiro.

Oras, não me olhe assim!


Munido de chocolate suficiente para matar um exercito de diabéticos, começamos a jogar Megaman X2, como se não houvesse um amanhã.




Enquanto jogávamos, discutíamos sobre a diferença entre o desenho exibido no SBT e o game. Achávamos estranho o Megaman nunca encontrar as capsulas com partes da armadura, então sempre assistíamos na esperança dele encontrar algumas delas. 

Acabava o episódio e gritávamos ” Cadê a droga dos upgrades da armadura?” .


Recordo que foram várias as vezes que me frustrei assistindo ao desenho, mas convenhamos que a internet não era acessível naquele tempo e tampouco comprava revistas de games, então levou muito tempo até descobrir que X pertence a um universo alternativo do Megaman. Tanto que ele é chamado de X na série, enquanto o desenho era focado no enredo principal.


Ah, também tinha o Street Fighter: The Game, que achávamos horrível, mas não perdíamos um episódio.



Outra coisa bacana é que adorávamos assistir ao desenho e ir correndo jogar o game. Era como se pudesse jogar com o mesmo personagem que tínhamos conferido no desenho. Isso valia para o Megaman e o Street Fighter.

Eu sei, parece coisa de sequelado, mas eramos crianças e não esses monstros de hoje em dia.

Ah, é incrível como um momento tão simplesmente ficou cravado em minhas memória depois de tantos anos. O mais divertido de tudo é que por muito tempo pensei que apenas eu tinha sido marcado por aquela manhã, então um dia perguntei ao meu irmão e me surpreendi com a resposta.
Doguinha é o apelido de Douglas, saca?
Admito que é muito bom saber que mesmo após tanto tempo, esse dia marcou tanto ele quanto a mim. Apesar de nossos gostos serem tão diferentes, sempre teremos Megaman como algo em comum.

Bem, mas espero que tenham gostado desse pequeno fragmento da minha infância e se vocês também possuem uma lembrança especial, deixe nos comentários.




(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Author: Diogo Batista

Criador e Editor-Chefe do Arquivos do Woo, é um eterno rabugento. Opta por investir seu tempo entre games, filmes, livros e sua família à perder tempo discutindo na internet.