Arquivos do Woo

No meu atual emprego, aos finais de semana o ritmo cai ao ponto de ser possível ler um livro tranquilamente. Por essa razão criei o habito de sempre carregar comigo seja um livro ou um mangá na mochila, e no plantão passado decidi encarar The Legend of Zelda: Ocarina of Time da Editora Panini. 

Fazia algum tempo que o tinha aqui em casa, mas só havia lido um pouco apenas, então ontem decidi recomeçar do zero e não me arrependi. Me deparei com uma leitura leve e a ótima arte de Akira Himekaya. Foram horas de diversão e situações engraçadas envolvendo Link, e por essa razão decidi escrever a respeito do mangá.

É perigoso ir sozinho, então me acompanhem á Hyrule.


Por Dane F. Santos

Tudo começou com um anúncio de jornal. Era um belo dia e eu era "piquitita" quando resolvi comprar o já antigo Game Boy Color. A verdade é que sou uma fã confessa de jogos da Nintendo e quando vi a oportunidade agarrei na mesma hora. Com essa compra eu ganhei um Mario, mas não me lembro muito dele embora tenha me rendido horas de diversão. 


Não me lembro nem se cheguei a zerar, mas era bem bacaninha. Depois de um tempo consegui colocar minhas mãos em alguns cartuchos de pokemon. (Yellow e Silver). Não tinha nada mais divertido pra mim de ter a impressão de que eu estava viajando enquanto capturava pokemons e ia mais fundo no enredo. Nunca fui muito fã do anime, mas os jogos são muito perfeitinhos em vários sentidos. Acredito que o grande sucesso de pokemon tem como base sua imersão.

Pokemon é um marco e todo mundo sabe a razão de gostar e não gostar. Não parando no Pokemon acabei mais tarde jogando outros jogos de Game Boy e Game Boy Advance. Vou citar alguns jogos que marcaram minha vida nesses pequenos consoles (Não vou colocar pokemon na lista, pois seria muito óbvio).

Vamos lá


Resultado de imagem para project resistance

Disclaimer antes de começar o texto: Eu não sou fã de Resident Evil. Mesmo tendo jogado praticamente todos os jogos da franquia (com exceção dos spinoffs e o 7), a série nunca me fisgou, então não tive interesse em pegar jogos dela no lançamento, ou mesmo com descontos, sempre tem outros jogos que me interessam mais que ela... Mesmo sendo jogos piores.

Dito isso, recentemente a Capcom anunciou um novo spinoff multiplayer de Resident Evil, intitulado Project Resistance. E no mesmo momento, lembranças de RE: Operation Raccoon City me vieram a mente... E de Umbrella Corps, que é um jogo com tantos méritos e tão querido pelos fãs, que tive que procurar no Google pra saber se o nome do jogo estava certo.



Faz algumas semanas desde o termino da Brasil Game Show, mas só agora consegui encontrar tempo para começar a publicar o material que criamos ao longo do evento. Começando com essa coletânea de diversos vídeos que registrei durante a minha estadia na BGS. 

Foi um evento divertido onde pude jogar muito, então enquanto não sai o artigo com toda a minha impressão do evento, fiquem com o vídeo lá no canal.



Falando em canal, se inscrevam no canal e sigam-nos no Instagram.



São tantos jogos recentes que às vezes tudo que eu queria era algo simples e que me desse uma sensação boa ao terminar. A ideia de jogar deitado, com fones e numa telinha pequena sempre me atraiu, assim como a simplicidade dos jogos, que devido ao hardware limitado, precisavam ser criativos para serem interessantes.

Aqui listei cinco joguinhos desse console que merecem sua atenção. Seja por serem ótimos ou por representarem muito bem o Game Boy. Aproveitem!



Em setembro de 2019, a Nintendo finalmente lançou seu "Netflix de Super Nintendo" para o serviço online do Switch. Caso você não seja um pirateiro safado, essa é a primeira vez que é possível jogar os clássicos do 16-bits no console híbrido mais recente da empresa.

Como não somos bobos nem nada, fizemos uma lista dos games disponíveis nessa primeira leva, ordenados do melhor pro pior, e de lambuja coloquei algumas dicas e curiosidades sobre os títulos. Vamos lá.


Disclaimer inicial: O jogo analisado é destinado ao público maior de 18 anos. Apesar das imagens utilizadas nessa analise não conterem sexo explícito, recomendamos descrição ao ler este artigo.

Não vou mentir, eu curto Visual Novels. De fato, eu até cheguei a programar duas Visual Novels no longínquo ano de 2017 (Ok, tecnicamente uma eu comecei no fim de 2016 e outra é só um remake de um rascunho que fiz em 2015), já fiz umas boas dezenas de let's plays do gênero no meu canal do youtube. E eu curto VN’s eróticas, porque bem… Se bem feitas, são uma experiência boa duplamente. E bem, uma das minhas maiores surpresas se deu quando joguei uma certa VN com o nome de Funbag Fantasy. Sim, o título é bobo, e quanto a novel? Segue lendo, malandro.




Na BGS 2019, visitantes poderão encontrar gratuitamente lendas da
indústria dos games, como John Romero, de DOOM e Quake, e Charles
Martinet, dublador de Mario, personagem da Nintendo, além de personalidades
da internet

A Brasil Game Show acaba de revelar uma prévia da agenda do BGS Meet & Greet, uma das atrações mais badaladas do evento, em que milhares de visitantes têm a oportunidade de ficar frente a frente com grandes ídolos do universo dos games, tirar fotos e pegar autógrafos, tudo gratuitamente. A 12ª edição da BGS será realizada entre 9 e 13 de outubro, no Expo  Center Norte, em São Paulo/SP.

Pegue o seu Z-Saber e prepara-se para a megafusão nesta reunião de velhos amigos e novos heróis em Mega Man™ Zero/ZX Legacy Collection.

Todos os quatro jogos Mega Man Zero, além de Mega Man ZX e Mega Man ZX Advent, estão juntos em um mesmo pacote pela primeira vez na família de dispositivos Xbox One, incluindo o Xbox One X, no sistema de entretenimento de computador PlayStation®4, no sistema Nintendo Switch™ e no Steam. A coletânea estará disponível por US$ 29,99 / R$ 149,00 (Microsoft Store) / R$ 149,99 (PlayStation Store) / R$ 69,99 (Steam) em formato digital no Brasil no dia 21 de janeiro de 2020.

Mega Man Zero/ZX Legacy Collection traz os chefes desafiadores, a jogabilidade rápida de plataforma e o combate preciso das séries Zero e ZX, transportando-as dos consoles portáteis para as telas grandes pela primeira vez. Os jogadores nostálgicos podem jogar com a arte em pixels original, e também há novos filtros de suavização HD opcionais. Novos jogadores que quiserem se aventurar pelas histórias das séries Zero e ZX podem também utilizar o modo opcional Casual Scenario para baixar a dificuldade dos jogos, incluindo o sistema Save-Assist para criar pontos de salvamento no meio das missões para uma experiência narrativa mais amigável.

Os jogadores podem ainda dar uma pausa na ação para mergulharem na galeria da coletânea com mais de 600 artes originais de produção, além de poderem curtir uma seleção completa de composições originais e novos arranjos no tocador de música. Os fãs das séries que buscam um desafio extra poderão encarar o novo modo de desafios Z Chaser. Mais detalhes sobre o modo Z Chaser serão revelados em breve.

Abaixo vocês podem conferir o trailer de lançamento:


Vivo Keyd, uma das maiores organizações de Esport do Brasil, acaba de anunciar os mais novos reforços da lineup masculina de Counter Strike: Global Offensive: João "KILLDREAM" Ferreira e Mateus "supLex" Miranda.

Nascido em Portugal, KILLDREAM é um dos grandes nomes internacionais, com passagens por grandes equipes da Espanha e de Portugal. Jogou no Brasil na temporada 2016-2017; e, agora, voltará a ser companheiro de equipe de Caio "zqk" no Vivo Keyd. O talento de KILLDREAM irá ajudar a equipe a atingir patamares inéditos no competitivo.

Rage 2 certamente é uma sequencia que fez alvoroço, não só porque se trata de uma continuação de um titulo que não teve um impacto tão grande em seu lançamento, mas também porque vende a ideia de ser um jogo extremamente bem humorado e repleto de loucuras. Mas será que os trailers e teasers realmente refletem toda a experiência alucinante que o jogador encontrará com o jogo?

Depois de bombardeado com teasers e trailers insanos, eu comecei minha jogatina com expectativas de me deparar com loucuras e insanidades em níveis astronômicos. Não queria nada mais ou nada menos do que uma aventura alucinante sem enrolação e banhada na mais puro adrenalina.


Bem, mas será que tudo aquilo era apenas marketing? Me acompanhe e descubra como foi minha experiência com RAGE 2
.