Mad Max | Areia, gasolina e pouca diversão

Mad Max

Mad Max Estrada da Fúria é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos, sem pensar duas vezes. Devo ter visto umas três vezes só em seu lançamento. E com o anúncio do jogo foi difícil eu não cair no hype. 

O que é péssimo, porque são raras as vezes que nossas expectativas são superadas quando o hype está tão alto. De qualquer modo eu não esperava uma obra fiel aos filmes, até porque as adaptações de filmes em jogos possuem um péssimo histórico, né Resident Evil. 

Mas  sonhar não dói, então aproveitei que Mad Max estava na biblioteca do Xbox Game Pass e fui ver se o jogo realmente prestava.

Mad Max | Areia, gasolina e pouca diversão

Mad Max certamente chama a atenção logo nas primeiras horas com toda aquela correria e troca de socos com um bando de cabrunco da areia. Fiquei na maior empolgação, principalmente com o combate. Realmente você sente que ossos estão sendo quebrados, e isso meio que me animou de um modo tão errado, mas prazeroso.


Depois disso você ganha um mapa enorme e um carro todo fodido pra percorrer pelo deserto que se tornou o mundo. Ou pelo menos essa região, já que Max procura pela planícies silenciosas. Os objetivos do jogo são bem claros, Max teve seu carro V8 roubado pela gangue dominante dessa região, e resta a ele recuperá-lo e sair dali rumo ao seu  alvo.

Só que pra isso ele precisa contar com a ajuda de Chumbucket, um cara deformado que é mecânico. No início eu até achava ele bem irritante, porque não calava a maldita boca, mas a medida que você avança na história, você cria afeto por ele. Oras, ele que nos fornece o novo carro e não come o  nosso cachorro, como não gostar dele?



Mas se você pegou Mad Max esperando que ele fosse um Grand Theft Auto no meio do deserto, sinto desapontá-lo, mas não. Max possui uma arvore de habilidades a ser trabalhada, isso se você realmente quiser sobreviver.

A barra de energia de Max pode ser recuperada tomando água, comendo comida de cachorro e até vermes de corpos em decomposição. Mas isso não é o suficiente se você não melhorar o personagem, tornando-o mais resistente e letal. Apesar de o combate ser fácil e lembrar o sistema de Shadow of Mordor. Ele funciona muito bem, mas você morre facilmente, então tenha em mente que tudo no personagem necessita de upgrades, até mesmo para ele carregar duas facas.

O que é ridículo pra cacete, oras, como assim o cara não consegue carregar mais de uma faca sem aumentar nível

Infelizmente Isso me pareceu mais meio de manter o desafio e tentar te prender ao jogo por busca de melhorias, e isso infelizmente me incomodou.



Os combates com o carro são os pontos alto desse jogo, pois realmente são incríveis, principalmente durante as tempestade de areia. Outro ponto que vale a pena ressaltar são as explosões dos carros, coisa de louco aquilo. Mas é só isso. O jogo não te oferece mais nada e te coloca em uma espiral com missões repetitivas. Por sorte temos alguns objetivos secundários para nos distrair, como derrubar totens, coletar sucata e destruir comboios nas rotas de suprimentos. 

Quanto ao visual do jogo, é inegável o cuidado com que foi feito, você vai se encantar com as paisagens e torcer para que esse mundo tenha sido melhor explorado. É muito divertido vagar sem rumo pelo mapa e topar com inimigos, mas o jogo é só isso. Infelizmente.

Depois de umas  18 horas de jogatina eu não aguentava mais entrar em bases, tela escura, sai da base, tela escura. Isso quando não era pra acessar outra base inimiga, destruir galões de gasolinas, matar líder (encarei ao menos uns 3 deles idênticos, apenas com cores diferentes) e retornar a base novamente. Não sei se a versão de PC tem esses cortes para a base, mas no console foi bem chato.



Mad Max se provou um jogo com boas ideias e um universo muito rico, que tinha tudo para ser um grande jogo, mas infelizmente ficou bem aquém das minhas expectativas. Não é um jogo ruim e certamente pode entreter bastante quem joga esporadicamente ou não dê muita atenção para a história.

Mesmo com bugs estranhos, onde os inimigos simplesmente desapareciam do nada, o jogo ainda conseguiu me divertir por um tempo, mas só valeu a pena por estar no Xbox Game Pass, porque se eu tivesse gasto uma grana com o jogo, provavelmente estaria bem irritado.

Não sei se um dia irei conclui-lo, alias, se você o fez, deixe seu comentário e me conte o que eu perdi. Quem sabe você não me convence a retornar ao jogo.



0 comentários:

Postar um comentário