10 de janeiro de 2018

O que eu joguei em 2017


Lá se foi 2017, um ano relativamente hardcore para muita gente, mas cá estamos novamente, pelo quinto ano consecutivo, participando de um dos memes mais divertidos de fim de ano. Diferente do último ao, dessa vez estamos publicando nossas jogatinas no mês de Janeiro. 

O que dizer de 2017, além do fato de que foi um dos anos que mais joguei, principalmente pelo fato de estar desempregado. Oras, sobrou algum tempo entre mudanças e outros deveres, assim pude me dedicar um pouco mais as jogatinas. Claro, não tenho intenção de colocar tudo que joguei, por razões de que algumas jogatinas acabam sendo abandonadas, então vou me restringir aos que terminei ao longo do ano e algumas menções honrosas.

Então pegue o seu overcharger e bora conferir!



Sunset Overdrive é um dos jogos que citei durante o meme do ano passado, porem, eu ainda não havia o terminado. Hoje eu posso dizer que é um dos jogos mais divertidos que joguei durante o ano. Possui um final que sem dúvida vai marcar você.

É um dos jogos mais incríveis que joguei, não só pela mecânica que mescla plataforma com tiroteio (Lembrando vagamente ReCore) como pelo fato de que o humor empregado aqui é insano. Posso dizer que mesmo não gostando de ir atrás de conquistas, ainda retorno a Sunset City só para explorar e matar Od's. O que me rendeu  até o momento umas  60 e poucas horas de jogatina.

Infelizmente o jogo não está disponível para PCs, então se você tem um Xbox One e tá afim de pegar o jogo (Que vira e mexe tá por 49 conto) não pense duas vezes, pegue. Ele foge totalmente do padrão filmeco entupido de quick time events de hoje em dia.



Broken Age foi o jogo que me fez repensar o gênero point-and-click, que simplesmente abominava. Eu ainda não posso dizer que gostaria de zerar todo o jogo do tipo que surgir em minha frente, mas posso dizer me fez compreender um pouco a razão pelo qual o gênero ainda é querido por uma parcela dos gamers.

A história de Broken Age é muito bacana, e a ideia de controlarmos dois personagens com a possibilidade de mudar a qualquer momento me surpreendeu. Além de contar com uma trilha sonora magnifica, ainda tem uma arte quem linda; Oh, tem a dublagem também que é fantástica. Só o puzzle final que me fez chorar um pouco, mas de resto é um jogo que vale muito a pena, principalmente se você assim como eu nunca havia jogado nada do Tim Schaffer.

Ah, não poderia deixar de agradecer ao meu amigo Thiago do site Portallos, que foi quem forneceu o jogo para que eu jogasse e escrevesse a respeito. Alias, é um excelente site, não digo por ser meu amigo e sim porque a qualidade dos artigos são ótimas. Visitem-o e diga que o Woo mandou um "Oi".



Eu adoro Fallout New Vegas, mas com o acesso aos jogos da nova geração, Fallout 4 era basicamente um título obrigatório pra eu jogar. É, posso dizer que abandonei muitos jogo só para me dedicar totalmente a jogatina dessa coisa linda - Até porque peguei o jogo emprestado com meu amigo, Matheus. 

Oi, Matheus, brigadão!!

O dificil foi me segurar pra não entrar em uma espiral sem fim de sidequest's, mas consegui superar a tentação. Foram mais de 100 horas jogadas pra realizar os finais de todas as facções (descobri posteriormente que os Minuteman possuíam um final, maldição) e coletar todos os bubbleheads. É, de certo modo eu me orgulhei por esse feito.

Ah, sem contar o fato de que há power armor espalhadas pelo mapa, o que me fazia vasculhar cada canto do mapa atrás de reatores nucleares, por mais que fosse fácil encontrá-los,  nunca era o suficiente. Eu queria ter garantias que poderia andar por ai sem me preocupar com isso.

Bem, tudo isso foi o suficiente para querer me distanciar por um tempo do título. É, eu não tenho autocontrole. Por sinal, eu esqueci de escrever sobre o jogo porque logo depois fiquei sem internet, então esse ano vai pipocar artigo.



Diablo III: Reaper of Souls é um dos jogos que terminei durante um final de semana que ele ficou gratuito, alias, essa é uma das coisas mais legais dessa nova geração: Finais de semanas gratuitos de alguns jogos.


Se você é tão duro quanto eu (financeiramente falando), certamente entende as vantagens de jogar títulos gratuitos. 


No meu caso, eu pude zerar Diablo III em um único final de semana, até eu fiquei surpreso, porque simplesmente fiquei viciado no negócio.Terminei apenas a campanha básica e joguei um pouco da expansão Reaper of Souls, que achei bem sem sal ou qualquer condimento. Foi muito divertido, porque não jogava Diablo desde 2012, onde brinquei um pouco com Diablo II.

O meu amigo Vigia me explicou o funcionamento do jogo, então agora olho para Diablo com um certo carinho. Em qualquer promoção ele será comprado, isso depois de pegar outros a frente dele. 

Por que a surpresa? Eu disso que sou um duro!



HALO foi uma das surpresas que tive durante o ano de 2017. Mudou totalmente a ideia que tinha a cerca da franquia e me fez querer entender mais do universo que Master Chief está inserido.

Foi muito divertido e frustrante em alguns momentos, especificamente aqueles em que precisei utilizar do Warthog, veiculo do game. Pelas barbas do Batman, era horrível controlar aquele veículo. Admiro qualquer pessoa que consiga manusear facilmente aquele tróço. 

Fora esse detalhe é excelente e recomendo vivamente que qualquer um que não jogou experimente. O desafio que o jogo oferece é alto, mesmo no modo normal, então prepare-se pra xingar muito em determinados momentos.



Esse reboot de Tomb Raider eu havia concluído lá na época do lançamento (2013), jogando junto com meu irmão. Quando peguei o Xone, a edição definitiva veio junto com ele, então decidi re-jogar. Posso afirmar que passei a gostar ainda mais do jogo, até mais do que o Rise of the Tomb Raider, que apesar de ser muito bom e possuir melhorias, não replicou o mesmo charme que desse primeiro título.

Claro, sei que é tudo uma questão de gosto pessoal, não há problema algum você preferir a franquia clássica, seja por saudosismo ou paixão mesmo, tá OK. Aqui, o que me conquistou foi a maneira como a personagem se desenvolve ao longo da trama, assim trazendo uma profundidade muito maior para a Lara Croft.

Então se você não jogou essa belezura, corra atrás que vale a pena.




Fable III foi um dos primeiros títulos que joguei da franquia até o final, apesar de um rápido contato no PC, que eu não tinha dado muita bola.

O jogo é incrível, me surpreendeu muito o fato de que mesmo utilizando mecânicas pouco convencionais, ele ainda consegue ser tão acima da média do que temos hoje em dia no mercado. O enredo é simples, mas construído de um modo que realmente prende a atenção do jogador. Sem contar as inumeras sidequest a disposição do jogador, que são divertidíssimas.

Claro, obviamente ele não é perfeito e suas mecânicas podem afastar uma grande quantidade de pessoas, o que é uma pena. Pra mim esse lista como um dos melhores que joguei ano passado.




Aritana e a Pena da Harpia era um jogo brinquei um pouco e nunca terminei, estava a algum tempo parado em minha conta Steam, mas com o anúncio do Aritana 2, pensei que seria legal divulgar esse excelente indie game brasileiro com gameplays.

Foi uma tarefa árdua, mas eu consegui terminar o jogo e tenho tudo armazenado no canal. Eu tenho um certo orgulho do meu feito, apesar de não ser grande coisa, mas o jogo é divertido e tão desafiador que valeu a pena gravar as partidas. Sério, o jogo possui algumas áreas que são brutais, exigindo que você fique familiarizado com os controles, que fogem dos comandos que estamos acostumados. Por exemplo; você salta com o gatilho de defesa ao invés dos comuns X ou A.

Talvez esse seja um dos maiores desafios, pelo menos eu li alguns comentários de pessoas que desistiram do jogo por causa do controle. O que é uma pena. Por outro lado o jogo não é focado no combate e sim nos desafios durante a fase. Onde é preciso realizar combos enquanto ataca para alcançar plataformas e áreas. Bem, quem ainda não jogou, prepare-se para morrer muito.



Bem, esse foram todos os jogos que terminei ao longo de 2017. Não foram tantos, mas são títulos que peguei firme e fui até o final, enquanto outros, por algum motivo não os terminei. Cheguei a cogitar de colocá-los na lista como menções, mas achei que estaria enchendo muita linguiça. Prefiro colocá-los na lista do meme do ano que vem, muito mais prático.

De qualquer modo é sempre legal participar desse meme e conferir o que os demais amigos e colegas estiveram jogando. Alias, vocês podem conferir clicando nos links abaixo, deem um pulo lá!


Espero que tenham gostado. Desejo a todos um excelente ano novo, e que 2018 possa ser um ano melhor do que 2017!!



Blog Desocupado [Paulo Victor]------------------ http://des-ocupado.blogspot.com.br
Blog MarvoxBrasil [Marvox]------------------------ http://marvoxbrasil.wordpress.com
Gamer Caduco [Caduco]--------------------------- http://gamercaduco.com
Gamerníaco [Eduardo Farnezi]------------------- http://gamerniaco.wordpress.com
GebirgeBR [Gebirge]------------------------------- www.youtube.com/GebirgeBR
Jogatinas Saudáveis [Rodrigo Vigia]------------- www.youtube.com/vigiabr
Jornada Gamer [UsoppBR]------------------------ http://alvanista.com/nostallgiabr
Locadora Resident Ivo [Ivo Ornelas]------------- www.locadoraresidentivo.com
Old Magus Pub [Lucas Vinicio]-------------------- http://oldmaguspub.blogspot.com.br
QG Master [Marcos Vieira Machado]------------ http://qgmaster.blogspot.com.br
RetroPlayers [Sabat]------------------------------- www.retroplayers.com.br
U-8Bits [Ulisses 8 Bits]---------------------------- http://ulisses8bits.blogspot.com.br
Vão Jogar! [Rafael "Tchulanguero" Paes]------ https://vaojogar.com.br
Vão Jogar! [Rodrigo Borges]---------------------- http://vaojogar.com.br
Vão Jogar! [Somari]-------------------------------- https://vaojogar.com.br
Vão Jogar! [sucodelarAngela]-------------------- http://vaojogar.com.br
Videogames com Cerveja [Felipe B. Barbosa]--- www.vgscomcerveja.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário