3 de novembro de 2016

ESPECIAL DE HALLOWEEN | CURIOSIDADES DE CLÁSSICOS FILMES DE HORROR


O Halloween infelizmente passou e não tive tempo hábil para publicar no dia 31 em comemoração a data. Bem, isso não será mais problema porque to comemorando atrasado como sempre faço em qualquer data comemorativa.

O texto que irei apresentar aqui não é novo, eu o publiquei anteriormente em outro site, mas ele meio que ficou no underground. Dai tive a ideia de melhorar seu conteúdo (entenda melhorar como corrigir erros) e acrescentar umas coisitas a mais. Sim. eu posso fazer essas coisas, então não enche o saco.


É isso. Chega junto e vamos comemorar esse Halloween atrasado juntinhos feito Belphegor e sua privada. Se preparem para descobrir um pouco das curiosidades de alguns clássicos dos filmes de terror.


O filme Psicose é uma obra prima do mestre do horror Alfred Hitchcock, considerado um marco na história do cinema fantástico. Uma das cenas mais famosa que é a que ilustra essa postagem possui apenas 3 minutos de cena, mas foi preciso de 77 takes individuais e 50 cortes para ser concluída.

É trabalho pra cacete!

Conhecendo um pouco da história do diretor Alfred Hitchcock, podemos deduzir que não deve ter sido nada fácil para os atores. Mas as curiosidades não terminam por ai, pois outro fato curioso é que Psicose foi o primeiro filme norte-americano onde uma descarga foi acionada… Sim, era considerado de extremo mau gosto dar descargas em filmes na época, mas o diretor foi lá e fez. Outro ponto interessante é que o personagem Norman Bates foi inspirado no real assassino Ed Gein, um serial killer que tinha sérios problemas com a mãe, o que levou a ser bem chegado em canibalismo e necrofilia.

Coisa leve.


Halloween está entre uma das minhas franquias favoritas de horror, então foi extremamente difícil de não inseri-lá nessa lista.

O primeiro filme foi feito com um orçamento tão pequeno, que por pouco o filme não foi concebido. A equipe sequer tinha dinheiro para os figurinos, então muitos atores precisaram filmar com  suas próprias roupas. Galera trabalhando com a roupa que trouxe de casa.

A atriz Jamie Lee Curtis gastou menos de 100 dólares com seu figurino, enquanto o pobre Michael Myers não tina grana nem para a criação da mascara, o que os levou a comprar a mascara mais barata que encontraram em uma loja, que no caso é o rosto do Capitão Kirk de Star Trek.

Todos sabemos que o rosto de William Shatner não assusta, então a equipe pintou o rosto de branco e penteou os cabelos para cima para dar um aspecto único. Sim,  um dos vilões mais icônicos dos cinemas dos anos 80 gastou menos do que funkeiros investem para gravar um cd.


The Hills Have Eyes ou Quadrilhas de Sádicos, como ficou popularmente conhecido por aqui, é bem famoso pela violência que apresentou em seus dois filmes lançados. Homens deformados atacando interceptando viajantes e os devorando. É, quem não gosta de um bom filme de canibal.

Claro, a curiosidade fica por conta de Alexander “Sawney” Bean, personagem no qual o diretor Wes Craven se inspirou para criar a história do The Hill Have Eyes. Infelizmente não existem provas que Sawney realmente existiu, pelo menos é o que alguns historiadores afirmas, mas em todo caso não deixa de ser no minimo interessante.

Sawney liderou um clã de 48 integrantes que matou e devorou um pouco mais de 1000 pessoas, até que uma das vitimas acabou escapando durante a emboscada e avisou a civilização sobre a família. Eles viveram por 25 anos matando e devorando suas vitimas e quando capturados, diz  a lenda que o Rei Jaime I ficou tão chocado que não concedeu o estatuto dos seres humanos, então os homens tiveram seus braços e pernas amputados e deixados sangrarem até a morte e as mulheres e crianças foram queimadas vivas.

Pelo menos rolou um churrasco no final das contas =3


Em O Exorcismo de Emily Rose, um padre é condenado pela morte de uma adolescente chamada Emily Rose, que no caso morreu enquanto ele tentava exorcizar.

Esse filme lista os meus favoritos de todos os tempos sobre o tema possessão, mas o que o torna tão interessante é que se baseia na história real de Anneliese Michel. Uma garota que comeu o pão que o diabo amassou por um longo tempo.

Anneliese Michel foi uma garota alemã de 16 anos que misteriosamente começou a apresentar sinal de possessão demoníaca. Por anos a garota sofreu com paralisias, auto-mutilação, fome e visões demoníacas. Desesperados os pais recorreram a padres, que durante  10 meses do ano de 1975 exorcizaram Anneliese por acreditarem que ela estava possuída por um demônio.

Depois de anos sofrendo com os mais diversos e curiosos sintomas, Anneliese acabou morrendo de fome em Julho de 1976, o que levou os pais acusados de maus tratos e presos por 6 meses.


O Exorcista pode ser considerado um dos filmes mais perturbadores e controverso já criado.

Ele é considerado amaldiçoado, principalmente por toda a equipe que trabalhou no filme, a começar por Linda Blair, que no filme interpretava a garota possuída e, nunca mais conseguiu um papel de sucesso.

Bem, mas não é só isso, o diretor William Friedkin conseguiu ser extremamente maldoso e cruel com todos no set. Em alguns momentos ele disparava tiros atrás dos atores só para que eles se assustassem de verdade.

Linda Blair e Ellen Burstyn chegaram a se machucar durante as filmagens, enquanto o William O´Malley, que é padre de verdade e interpretava o padre Dyer, ele chegou a levar tapa na cara só para que o diretor conseguisse uma melhor reação do ator em frente as câmeras.

Além dos acontecimentos estranhos que aconteciam no set de filmagem e a morte do ator Jack MacGowran que veio a falecer devido a uma gripe, o livro no qual o filme se baseou é sobre um exorcismo real executado por um padre jesuíta. Segundo o William O´Malley, 80% do filme é verdadeiro, sendo que a maior diferença foi que ao invés de uma garota exorcizada na vida real foi um garoto.


É uma postagem pequena, mas ao menos a essa data não fica em branco aqui no site. Espero que tenham curtido essa postagem especial e bom Halloween (atrasado) a todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário