27 de março de 2016

THE MEAT GRINDER | COMENDO PARA SOBREVIVER OU QUASE ISSO


The Meat Grinder nos conta a história da pobre vendedora de fidéus, Bodd, que foi deixada a miséria por seu marido, um viciado em jogos que resolveu fugir com a babá. Sem qualquer dinheiro e com uma filha pequena para criar, Bodd se vê forçada a encarar um mundo de violência para sobreviver e manter sua filha bem alimentada.

Todos nós sabemos que mães em situações extremas são capazes de fazerem qualquer coisa para proteger suas crias, então não surpreende ver Bodd moendo carne, logo após a descoberta de um cadáver dentro do seu carrinho de fidéus.

Que? Ela tem criança pequena, oras!

A partir daqui somos levados por meio de flashbacks ao passado de Bodd, onde podemos conhecemos um pouco melhor a história por trás dessa mulher e suas motivações para tornar desafetos em comida.



Bodd inicialmente é introvertida, mas a medida que obstáculos são derrubados, ela se torna uma mulher confiante. Passa de saco de pancadas a dona do próprio destino e decide esmagar a todos que possam atrapalhar sua felicidade com suas próprias mãos.

Se você é amante de um bom terror  e de preferencia com uma magnífica história, certamente The Meat Grinder é o seu filme. Com um final surpreendente e revelações que os deixaram boquiaberto. 

Ah! Mas tem muito sangue? 

O filme é brutal, tem muito gore e violência visual, como podem ter notado nas imagens do texto. rola sangue do começo ao fim do filme e em altas doses, até porquê é impossível esquartejar alguém sem deixar uma gota escorrer.

É estranho assistir um filme onde você compreende o real motivo pelo qual ele comete assassinatos, alias, no final do filme eles mostram que pessoas como Bodd, não são tão difíceis de encontrar, uma vez que grande parte das motivações de um serial killer é ligado a traumas passados ou lesões no crânio.



Fiquei tão empolgado que não contei a vocês que o filme é uma produção Tailandesa, o que só prova que o cinema americano esta precisando muito parar com os remakes e aprender com o diretor Thiwa Meyathaisong, apesar de poucos filmes no currículo, é muito promissora e competente.

É certo que muitas se incomodarão com  o grau de violência e o canibalismo, mas peço que se arrisquem, pois a história é ótima e a atriz mata a pau durante todo o filme.

Recomendo vivamente esse filme!

Nenhum comentário:

Postar um comentário