20 de dezembro de 2015

MEME | O QUE EU JOGUEI EM 2015


Mais um ano que está chegando ao fim, e o Arquivos do Woo continua vivo, gordo, forte e sendo atualizado - mesmo que mensalmente, mas que não deixa de fazer parte desse MEME anual que une os brothers.

Infelizmente esse ano as coisas foram um pouco complicada e acabei não terminando nenhum game. Comecei muitos, mas completar eles que é bom NADA.

Eu não vou me estender muito, pois se você está lendo isso, então provavelmente quer saber o que diabos eu andei jogando durante todo o ano, então vamos começar com

23 de novembro de 2015

PÓS - BGS 2015 | A NOITE EM QUE DORMI NA RODOVIÁRIA


Depois de um dia cansativo e muito divertido na BGS 2015, chegou a hora de voltar para minha casa e andar de metro pela primeira vez. 

Inicialmente parecia apenas uma viagem comum de volta para a casa. Porém o meu nervosismo e receio de errar o caminho eram grandes, mas o Marvox  ensinou alguns macetes para não terminar violado em alguma esquina escura. 

Depois de encarar uma fila imensa e surpreendentemente rápida para comprar o bilhete único. É chegada a hora da despedida e repassar o caminho a ser percorrido, para não me perder. Subo as escadas rolantes e chego até a catraca com o bilhete em mãos. Olho para todos que estão passa do pela catraca e todos passando cartões... Fico nervoso, começo a transpirar e penso: Onde enfio esse bilhete! 

Tento passar por uma outra catraca e ela não vira, abaixo a cabeça e leio uma palavra na catraca: SAÍDA 

O suor desce em minhas costas como se eu tivesse sido atingido por uma repentina chuva de verão. Dou meia volta e começo a cantarolar como se nem tivesse tentado entrar pela saída. 

Olho atentamente para todos os presentes como se fosse Keanu Reeves em Matrix. O tempo para e tudo fica em slow, fixo meu olhar em uma tia com papel na mão e a vejo introduzir na catraca. 

É ISSO! Estava o tempo todo ali na minha frente o local de introduzir o bilhete! 

Estufo o peito e começo a caminhar como se já fosse morador da capital. Passo pela catraca orgulhoso do feito e levo a mão em direção a base para pegar o bilhete de volta, mas nada do bilhete! 

Pergunto a uma garota: Meu bilhete ficou preso, o que devo fazer? 

Ela gargalha e diz: Não, moço, o bilhete fica na catraca se for unitário, então agora você pode pegar o metro. 

Agradeço a informação e caminho até a plataforma de cabeça baixa enquanto uma lágrima desliza por minha bochecha. 

Oh! Céus! To passando vergonha demais 

Uma voz anuncia que não é aconselhável todos se concentrarem em apenas um ponto da plataforma antes de entrar no vagão, e que para maior comodidade que todos se espalhem. 

Eu fui empurrado para dentro do vagão como gado dentro de um caminhão enquanto pensava: Essa voz não tem moral algum por aqui. Verifico se minhas coisas estão no lugar e sigo até o próximo ponto. 

Na nova plataforma o numero de pessoas é menor, dessa vez consigo entrar no vagão caminhando. Olho para a minha frente e tem um jovem beijando e esfregando-se na porta. Tento ignorar o sujeito e noto que o resto do vagão está com a atenção voltado para o amante de portas. Viro o rosto para a frente e vejo que está olhando diretamente em meus olhos. Me sinto violado e o pensamento que vem a mente é: ESSE CARA QUER MEU CORPO!

Eu não sou chegado e também não tenho nenhum tipo de preconceito, então agradeci a preferência mentalmente e agradeci a Izanagi por ter chegado em minha parada. 

Caminhei tranquilamente até o guichê de bilhetes quando me deparo com o local de luzes apagadas e uma placa: Caixa fechado

Cocei a cabeça, respirei lentamente. 

Talvez o funcionário tivesse ido até o banheiro. Nervoso, parei um senhor que se dirigia a plataforma de ônibus e perguntei se demorava muito para abrirem o guichê. Ele sorriu e disse: Fio, vai abrir só amanhã. 

Agradeci e me dirigi a área de espera. Não sabia o que fazer nesse momento, pois sequer tinha dinheiro para pegar outro ônibus e chegar a Campinas ou Sorocaba, que são bem mais próximo de minha cidade. 

Liguei para todos que conhecia os comuniquei-os sobre o ocorrido - E o quanto sou burro por não ter conferido os horários de ônibus no terminal. Bem, não havia o que ser feito eu estava preso ao terminal rodoviário e precisaria passar a noite lá. 

E CHEGOU A DURA MADRUGADA

Eu sou um cara do interior, nascido e criado na cidade de Itu. É possível contar nos dedos das mãos  as vezes que viajei para outros lugares e que em algum momento eu não tenha passado por um cagaço. 

Unindo minha experiência em viagens ao fato de que cresci assistindo noticiários na tv, onde assaltos, latrocínios, estupros parecem ser constantes na cidade grande, então a ideia de ser roubado, espancado ou mesmo violentado era uma imagem que não saia da minha cabeça.

Sem opção alguma, e olha que eu pensei em mendigar pra levantar o dinheiro de um outro ônibus, decidi me sentar no chão próximo a uma tomada, para recarregar o celular - Que segurava fortemente na mão - enquanto me comunicava com parentes.

Horas foram se passando e chegou a madrugada. Não havia o que fazer, além de me sentar na poltrona e aguardar. Enquanto estou lá sentado olhando para um monitor sem áudio, algumas pessoas foram obrigadas a se retirar do local. Descobri que ninguém poderia ficar ali a não ser que fosse viajar na manhã seguinte.

Bateu uma certa segurança, mas depois minutos depois o segurança me avisou que se eu vacilasse, outras pessoas poderiam roubar meus pertences, o cagaço voltou. Tomei a decisão de que não iria dormir em hipótese alguma, mas quando se andou tanto e tá cansado feito um cavalo velho, isso não adianta.


Me senti como um Sim tentando se manter acordado ou em pé mesmo sem energia alguma.

Foi uma madrugada triste, dura, quase chorei, mas finalmente ela terminou e pude pegar o maldito ônibus para a cidade de Itu. Nunca fiquei tão feliz por andar em um ônibus, mesmo com um casal chato reclamando dos filhos que foram presos e um senhorzinho que sentou ao meu lado, e que a cada 20 minutos enfiava a mão no bolso.

O cansaço era gigantesco, cheguei na rodoviária de Itu acabado, mas com a sensação de dever cumprido.


Espero não precisar dormir em uma rodoviária novamente, mas na próxima escolherei uma que ao menos tenha fliperamas.

30 de outubro de 2015

RELATO | BGS 2015: COMO FOI DURANTE O EVENTO


A edição 2015 do Brasil Game Show chegou ao fim, e mesmo que eu tenha conseguido ir apenas no domingo (11), eu posso dizer que gostei bastante e devo ter perdido uns 5KG de tanto andar.  Não que a minha perca de peso seja importante, mas, oras, eu andei pra cacete. 

Eu cheguei ao evento por volta das 14 horas e apesar de saber que o evento fornecia ônibus de graça, o bonitão aqui resolveu pegar um táxi no terminal rodoviário Barra Funda. 

O cara foi muito educado, mas se eu ficasse mais 15 minutos dentro daquele táxi eu precisaria me prostituir para pagar a corrida.

Fica a dica, não vá de taxi! 

Quando cheguei ao evento eu pensei "Nossa, não está tão cheio quanto me disseram", mas depois de algumas horas aquilo lotou, mas ainda continuava fácil se locomover no meio do povo, o que foi muito bom, pois sou grande e não gosto de ser encoxado.

Andei um bocado e acabei encontrando com um brother do Twitter, o Jones. Cara extremamente gente boa. Zuamos um pouco o maldito do Minecraft, mas não pude prosear mais, precisei me encontrar com o Marvox - Precisamos conversar mais qualquer dia desses, Jones.


Esse é o Jones
Quanto acesso aos jogos, alguns títulos eram praticamente inacessíveis como: Rise of The Tomb Raider, que tinha uma fila imensa. Obviamente que procurei por filas menores. Eu fui no intuito de testar alguns títulos novos e matar a curiosidade e não para deitar e dormir no chão do evento.

O primeiro título que pude jogar foi Project Cars, que no caso eu consegui fazer a partida mais rápida de toda a BGS - Eu acho. 

Project Cars propõem ao jogador a experiência de controlar um carro nas condições do mundo real, então esqueçam aqueles drifts fáceis que executamos em outros jogos. Aqui o carro em alta velocidade exige muita paciência e destreza.  

Os gráficos do jogo é maravilhoso e muito detalhado. Porém, algo que noto muito nos jogos de corridas e me incomoda são a plateia "viva" nas  arquibancadas, que aqui não parecem gifs animados como nos demais jogos do gênero. 

Project Cars é um game conceitual e ousado aqui Principalmente no Cockpit em que o jogador entrava em um cockpit com aceleradores, freios, embreagem e tinham a visão interna nos monitores 4K. 

Caminhando um pouco mais eu topei Killing Floor 2. Nesse primeiro momento eu não pude jogar, pois um moleque cabra safado decidiu que iria zerar o jogo, então voltei a caminhar pela feira. 

Algumas voltas depois decidi ir conferir Street Fighter V e a nova personagem brasileira, Laura. 

Eu não sou um grande fã de controles arcades, mas só fui descobrir que não era Joystick tradicional depois de algum tempo na fila.



Obviamente eu escolhi a Laura Matsuda assim que chegou minha vez. Eu quase chutei a bunda do Ken, que no caso foi o personagem escolhido por Marvox, que já devia ter treinado no sábado - Safado! 

Posso dizer que minha pouca afinidade com o joystick arcade contribuiu para o meu traseiro ser chutado. 

Pobre Laura! 

Talvez a melhor surpresa à respeito da nova personagem, tenha sido que ela não é um charged. Que no caso são personagens que para executar alguns golpes e especiais é preciso pressionar trás por alguns segundos e pressionar frente e soco, chute e por ai vai. No caso dela basta um meia lua frente e chute pra atirar o adversário no chão. 

Eu joguei apenas uma partida, mas ela foi suficiente para me deixar bem animado com Street Fighter V. Eu necessito comprar esse titúlo, sem sombra de dúvida!



Tom Clancy: The Division é outro título que eu queria muito mesmo ter jogado na feira, mas devem ter esquecido o console com o jogo em casa, ai levaram só o pendrive com o gameplay. Ou resolveram pregar uma pegadinha das bem sádica com todos presentes no evento.

Algumas voltas e algumas fotos depois, precisei ir a área de imprensa recarregar a bateria do celular. Sim, o gênio aqui não levou câmera, então todas as fotos foram feitas com meu Lumia 520. Elas não ficaram ruins, mas não me deixaram totalmente satisfeito.

Dentro da sala de imprensa pude conversar um pouco mais com meus amigos Marvox do Marvox Brasil e Tchulanguero AKA Mineiro do Vão Jogar, que foi lá só para me dar um abraço apertado. Eu fiquei comovido e choramos juntos quando nos abraçamos,foi uma experiência gratificante e sem dúvida me marcou.
Marvox no meio, Tchulanguero do lado direito e EU
Eles são o tipo de pessoas que você consegue conversar por horas de tanto assunto que rola, mas que não respeitam minha autoridade e ficam me zuando... vacilo, hein!

Com o celular um pouco carregado, nós voltamos a andar pela feira e fomos parar na área indie. Lá tive o prazer de conhecer alguns estúdios brasileiros e conhecer um pessoal muito bacana.

Depois de lancharmos, fomos direto a área da coleção de video games do Marcelo Tavares, que além de sensacional, me proporcionou a oportunidade de ver um PIPPIN ao vivo. Os seguranças precisam me conter nesse momento, enquanto eu gritava alucinadamente " ME DEIXE TOCAR, EM NOME DE TUDO QUE É MAIS SAGRADO". Claro, mentalmente eu pensei em fazer isso... deu vontade, eu precisava tocar naquilo, mas achei melhor não me arriscar.
Encontrei com o Jones nessa área e pudemos conversar um pouco mais sobre os consoles exposto. E graças a ele temos uma foto juntos, pois meu celular já tinha dito adeus a bateria novamente.

Depois de conhecer muito da coleção particular do Marcelo Tavares, resolvemos conferir a área indie.



Nossa primeira parada foi no famoso Aritana e a Pena da Harpia, do pessoal da Duaik, que estava disponibilizando para o pessoal experimentar a versão do Xbox One. Eu pude jogar e foi difícil não notar que ainda está mais bonito do que na versão PC, além de receber um tutorial na primeira fase, pra molecada aprender a jogar. Claro, eu apanhei um pouco no momento que joguei, pois fazia um tempão que jogava Aritana, além de algumas cositas terem mudadas nessa pra console, mas o jogo continua incrível.

O Ricardo Duaik e o resto do pessoal também foram muito atencioso e até descobrimos que Donkey Kong serviu de inspiração para algumas coisinhas. Também nos adiantaram que aqueles que compraram a versão PC receberão atualizações e a DLC Espirito de Fogo de maneira gratuita, mas só após o Xbox One o receber primeiro devido a questões contratuais.

Eu só tenho a agradecer pela recepção, um forte abraço para o pessoal da Duaik Entretenimento.

Depois passei o joystick ao Marvox, que naquele momento decidiu que ninguém mais iria jogar e começou a zerar o jogo (de novo). Lembram daquele garoto Killing Floor 2... Eu o abandonei nesse momento e fui ver outro indie.



Dessa vez eu comecei a jogar um pouco de Eternity - The Last Unicorn dos caras da Void Studios. O jogo é um adventure RPG e que contém bastante exploração. Eu fiquei espantado com a área das cavernas, onde tudo parece úmido e realmente passa a sensação de que você tá bem ferrado. Rolou um bug em que a personagem ficou enroscada em um obstaculo invisível, mas o jogo está em pré-alpha, então é compreensível. Porém, uma coisa é certa, o jogo tem tudo para ser um excelente título.



Um jogo que chamou minha atenção logo que cheguei na área indie foi Tiny Little Bastards dos caras da Overlord Studios.

O jogo é um side-scroller 2D em que você controla Ivaar, viking e dono de uma taberna que se vê obrigado a enfrentar os duendes afim de defender o néctar dos deuses: a cerveja.

Não sei quanto a vocês, mas esse é o tipo de game que eu precisava em meio a milhares de jogos que tentam ser realistas e sério. Humor ainda me conquista, e Tiny Little Bastards tem o bastante. O design dos personagens são cativantes e o jogo possui uma dificuldade razoável, pois você precisa pensar na hora de passar por alguns obstáculos. Claro, temos também uma variedade de armas a disposição, além de um sistema de craftar que será implantado.


Eu conversei bastante com o Marcelo Ribeiro, responsável pelo design do jogo. e que me adiantou que aquela era a primeira vez do jogo ao público e que muitas coisas ainda serão melhoradas.



Tiny Little Bastard foi uma das coisas mais legais que joguei durante a feira, mas nesse aqui os ingredientes que prendem a minha atenção como humor, violência, barba e culturas pagãs estão lá.

Agradeço a atenção e paciência que o Marcelo do Overlord Studio teve enquanto eu jogava sem parar. Mal posso me aguentar para colocar a mão nesse jogo novamente, parabéns aos envolvidos.

Depois de ficar muito tempo na área indie, foi hora de voltar a sala de imprensa e recarregar a bateria do meu celular. Não fiquei me demorei, pois o tempo estava ficando curto.

Finalmente eu pude voltar ao Killing Floor 2 para brincar um pouco. O garoto deve ter sido removido a força para dar vez aos outros visitantes.



Eu queria muito ter jogado pelo menos umas duas horas, mas infelizmente só pude morrer duas vezes. Sim, o jogo vai te matar com muita facilidade enquanto você corre feito um louco pelo cenário para evitar ser cercado.

A semelhança com Left 4 Dead 2 é grande, mas quem liga, aqui a trilha sonora é uma pancadaria atrás da outra e você entra no clima muito rápido, principalmente com a quantidade absurda de s
angue e vísceras que são despejado em sua frente.

Esse é outro jogo que realmente me conquistou bastante. O inimigos me remeteram um pouco aos personagens criados por Rob Zombie em A Casa dos Mil Corpos.


Infelizmente quando passei os comandos para o Marvox já era hora de ir embora e foi então que me dei conta que o dia simplesmente voou literalmente. Lá fora pude ver uma fila imensa para pegar o ônibus que o evento ofereceu de graça. Ali terminava minha visita a BGS 2015, mas foi o inicio de uma noite que me marcou bastante, pois eu acabei dormindo na rodoviária.

8 de outubro de 2015

DIVAGANDO | BRASIL GAME SHOW AI VOU EU!


Quem me conhece na vida real sabe muito bem que não sou muito positivo ou mesmo confiante. O que talvez explique porque nunca ganhei concurso algum ou até mesmo em rifas, mesmo comprando quase todo os números. - Pra vocês notarem o poço infindável de positividade que sou.

Bem, eu estou divagando um pouco, mas a questão é que por muito tempo enxerguei o blog apenas como um hobby. Apesar de procurar sempre dedicar um tempinho, as vezes não saia coisa alguma. Oras, existem momentos em que o estresse bate e você não consegue simplesmente sentar e escrever, mas no final sempre acabava surgindo alguma coisa.

O que posso dizer, aqui é minha casa, gosto de expor um pouco do meu pessoal e elaborar textos que eu possa rir ao escrevê-los.

No final das contas eu quero dizer que enquanto preparava o especial de aniversário de 4 anos do blog, eu finalmente percebi que precisava acreditar mais naquilo que produzo na internet. Não basta apenas escrever qualquer coisa todos os dia e me dar por satisfeito.  E esse pensamento foi o que me levou a me inscrever por uma credencial no Brasil Game Show.

Eu pude ouvir aquela voz pessimista em minha cabeça dizendo "Pow, tu é um gordo bosta, ninguém te ama, ninguém lê essa merda. Tu deveria virar dançarino de boate, pare de escrever". 

No final das contas eu estava sendo mais uma vez pessimista, mas a surpresa que tive ao receber um email confirmando que minha credencial havia sido aprovada. Não dá para descrever a alegria.


Dê play no vídeo

Eu sei que para alguns é apenas um: Ah, grandes merda, eu já fui no evento, daarr, BATATA!

Dane-se, a questão aqui é que eu consegui algo que definitivamente eu não esperava que desse certo. Isso renovou o meu folego para continuar com o blog e outros projetos que participo na internet. Projetos esses que contém pessoas que amam o que fazem, como o QuadNation. Um portal no qual pude idealizar ao lado de amigos e vem crescendo a cada dia que se passa.

O importante é que lá eu tenho liberdade para escrever da forma que gosto, sem pressão alguma.

Também gostaria de informar que o Arquivos do Woo está participando do concurso Top Blog 2015, então se você ainda não votou, basta clicar aqui ou no banner do lado direito do blog.

Eu não quero deixar o texto grande, na realidade só queria expor um pouco da minha felicidade e agradecer ao Brasil Game Show pela oportunidade.

Dê play no vídeo

Sei que em termos de estrutura o Arquivos do Woo ainda é relativamente pequeno, mas essa oportunidade que de ir a BGS me animou muito, então mais uma vez quero agradecer a todos os que leêm meus humildes escritos. Sem vocês o blog não estaria ativo e provavelmente eu estaria vendendo o meu corpo em troca de consoles da última geração.

Pois é.

No dia 11 de Outubro (Domingo) eu estarei na BGS, então se você estiver por lá, me diga um oi. Eu sou um pouco introvertido no começo, mas gosto de fazer novas amizades e dar risadas.

Não deixe de me seguir no twitter @Cyber_Woo

18 de setembro de 2015

1º IMPRESSÕES | SOUTH PARK 19º TEMPORADA: Episódio Stunning and Brave


South Park acabará de iniciar sua décima nona temporada e o primeiro episódio não é menos polêmico do que toda a temporada anterior. Sim, eu não gostei tanto da décima oitava temporada por diversos motivos, mas não significa que tenha sido menos divertida.

A questão é que esse primeiro episódio: Stunning and Brave, apresenta uma crítica direta a essa nova onda de politicamente correto que atacam tudo e a todos. 

Isso, como nódulos cancerosos!

Nesse primeiro episódio a Diretora Victoria foi demitida e a escola contratou um diretor que colocasse a escola nos eixos, visto que sempre ocorreu problemas ligado aos preconceitos a minorias. O novo diretor, chamado apenas de P.C, que significa Political Correctness ou Politicamente Correto, caso não tenham pego. O novo diretor deixa claro que a escola vai mudar e nenhum tipo de preconceito será tolerado.

Diretor P.C
Inicialmente Kyle, Stan e Kenny acreditam que a ideia de punir qualquer tipo de discriminação é ótima, mas Cartman ignorou e acabou por levar quatro dias de suspensão após chamar uma garota de fluído vaginal. Kyle em seguida também foi punido e levou duas semanas de suspensão por dizer que Caitlyn Jenner não é uma heroína.

Provavelmente algumas pessoas podem não se familiarizar com a referencia, mas Caitlyn Jenner é o padrasto das Kardashians. Caitlyn até pouco tempo era William Bruce Jenner, que recentemente decidiu que não se sentia confortável com o gênero masculino e virou menina.

Não consigo ver como mudança de sexo pode torná-lo uma heroína, mas, hey, a internet anda tão carente que até mesmo uma foto do pai protegendo o filho com um guarda-chuvas faz sucesso na redes sociais, então quem sou eu para contrariar seus heróis.


O diretor P.C e outros justiceiros sociais acabam por se unir e fundarem uma fraternidade em South Park, assim eles podem ficar de olho na cidade.

Depois da suspensão, Cartman fica receoso de confrontar o diretor, mas os seus amigos acabam por incentiva-lo e o compara a Tom Brady, marido da modelo brasileiro Gisele Bündchen, que esteve envolvido no escândalo Deflategate.

Cartman acaba sendo visto por seus amigos como a ultima chance de recuperar a liberdade de pensar diferente dos demais. Motivado, ele pede a cueca de Butters e segue rumo ao banheiro dos professores.

Bem, o plano não dá certo e o gorducho acaba sendo espancado devido a incapacidade de enxergar discriminação em tudo. Na realidade Cartman estava tentando incriminá-lo por estupro de crianças.

É, nesse momento vários SJWs foram xingar muito no Twiiter.

Bem, durante os 20 poucos minutos fica a expectativa que Cartman consiga deter o diretor P.C e salvar Kyle. O judeu não quis se redimir por dizer que a transexual não era uma heroína, então a fraternidade de politicamente correto passa a atacá-lo constantemente.


South Park não deixa o ritmo cair em nenhum momento, ao ponto de que os 20 minutos parecem extremamente curtos. O novo diretor também será uma figura constante, pelo menos o final do episódio deixa isso no ar.

Cartman é um tremendo filho-da-puta, não existe uma palavra melhor que essa para defini-lo. Por mais que a imposição do moralmente correto pareça afetá-lo. Ele ao seu modo consegue driblar utiliza dos termos da fraternidade contra ela mesmo e tecnicamente se dá bem no final.


Brincar com temas polêmicos sempre foi o forte de South Park, mas posso dizer que esse primeiro episódio mostra o quão conectado os criadores estão com o mundo atual e fazem criticas diretas em como ela esta ficando cada vez mais chato.

Eu nunca vou entender essa necessidade das pessoas cagarem regras que as privam de liberdade. Não gosta de algo, simplesmente feche a página, não assista ou atire em sua própria cabeça - O resto do mundo agradece.

5 de setembro de 2015

CRÍTICA | MEUS 5 CENTAVOS SOBRE VINGADORES - ERA DE ULTRON


O primeiro filme dos Vingadores ao meu ver foi o ápice da gigante Marvel na telona, pois criar um filme equilibrado em que todos os personagens cumprem seu papel na trama sem cobrir o brilho um do outro não é uma tarefa fácil.

Era de Ultron prometeu algo ainda maior que seu antecessor, o que me levou a criar expectativas altíssimas na hora de assistir. O que não é nada bom, visto que sequencias cinematográficas nem sempre são bem sucedidas. O que não é o caso de Era de Ultron.

O filme tem mais de duas horas e consegue prender a atenção do telespectador na cadeira por todo esse tempo. Claro, ele tem alguns momentos para você ir ao banheiro, como a apresentação da família do Gavião Arqueiro – Sejamos franco, ninguém liga para o Gavião.

As batalhas estão todas incríveis e dá gosto ver o nível de destruição que é causado em Sokovia, principalmente na batalha entre homem de ferro e Hulk em Wakanda.

O personagem Ultron esta incrivelmente bem interpretado, o humor dele é assustadoramente volátil. E proporciona alguns momentos divertidos, mas senti que ele poderia ter oferecido muito mais a trama.

Ele é o vilão principal e nem torturou a humanidade tanto quanto eu esperava, optando por ir direto ao ponto: Extinção da humanidade.


Ultron também não é tão poderoso quanto eles tentam parecer, o que o torna uma dor de cabeça é o fato de ser numeroso e o corpo principal ser de vibranium – Que por ser um material terrestre não resistiria a jóias do infinito.

OK, estou sendo nerd chato, parei!

Falando sobre os gêmeos Pietro e Wanda, eu os achei descartáveis totalmente descartáveis a trama principal. A ligação com Hydra foi só uma maneira de trazê-los a esse universo. Eu sequer consegui sentir falta deles durante todo o filme, e quando um deles surgia eu dizia: Ah, é mesmo, tem os gêmeos – em seguida caia no esquecimento.

Houve momentos em que o tom do filme se tornou um pouco mais sério, como o diálogo entre a Viúva Negra e Bruce Banner, onde ela conta alguns fatos importantes sobre seu passado. Esse filme trouxe uma profundidade maior a personagem, que além de ser uma mulher forte, se faz valer unicamente de suas habilidades de assassina.

Sim, o Gavião Arqueiro também não tem qualquer super poder, mas o cara é um chato, convenhamos que a maior colaboração dele foi como líder dos Vingadores Secretos, só.


Há um personagem que morre durante a batalha contra Ultron e seu exército, mas ele é tão desinteressante que você não sentirá falta alguma.

Bem, o mais importante no final das contas, é que o filme é satisfatório e expande mais um pouco do incrível universo que a Marvel está moldando nos cinemas. Não o achei  melhor que o primeiro filme, mas sem dúvida é uma continuação empolgante e que pode ser visto várias e várias vezes – Principalmente a batalha entre Homem de Ferro e Hulk.

30 de agosto de 2015

PAI DÁ RESPOSTA SURPREENDENTE: É PELOS 15!


Uma das coisas mais divertidas da internet é o fato de que alguns vídeos se tornam febre em uma velocidade incrível. Há vídeos de bebês gargalhando e pandas  que alcançaram milhões de acessos no YouTube. Tal feito acaba sendo veiculados por todos os canais de notícias.

Sim, é triste, mas alguns vídeos que mereciam estar nas Vídeos Cassetadas do Domingão do Faustão, são tratas como notícias.

Esse é o tipo de notícia que estimula as pessoas buscarem cada vez mais por seus 15 minutos de fama. Por exemplo: O pai de um garoto foi até uma loja de brinquedos trocar um brinquedo repetido que a criança havia ganhado. Quando questionado qual gostaria de levar, o garoto optou por uma boneca da Ariel, a pequena sereia. Ele levou a boneca
que seu filho pediu e ponto final, certo?

Errado!

A saga da troca do brinquedo ganhou repercussão após o pai decidir produzir um vídeo relatando que comprou uma boneca para seu filho - Todos sabemos que uma boneca não definirá o sexo do garoto. Só que o pai quis parecer moderninho e pra frentex. Então utilizou de frases clichês sobre o quanto o amor prevalece na hora do garoto decidir se será Barbie ou o Ken - Pera, o moleque só queria a boneca da pequena sereia e o pai  agindo como se ele tivesse passado por uma cirurgia de mudança de sexo ou se assumido homossexual.

Qual o objetivo de expor o próprio filho, sabendo que não houve uma intenção oculta por trás da ação da criança?

Eu sou cético e ao meu ver o cara está apenas em busca dos seus 15 minutos de fama as custas do seu filho pequeno. Eu acho isso bem triste, principalmente ao ver que a grande maioria apenas se preocupa em apontar a mensagem como "tapa na cara da sociedade", mas não se questionam nas consequências dessa exposição ao menino.

Creio eu que para se passar uma mensagem importante, não era necessário expor o filho dessa maneira. Apesar da mensagem claramente ser positiva, outras criança provavelmente contribuirão para fazer a vida do garoto em uma inferno. E não me venham com o papo de que intolerantes não passaram e todo aquele blá, blá, blá. O ser humano é cruel, assim como crianças são cruéis entre si - Vocês sabem do que estou falando.

A reação que um pai deve ter quando seu filho pede uma boneca deve ser a mesma com qualquer outro brinquedo, pois brinquedos não definem a sexualidade de uma criança, principalmente na idade do garoto do vídeo.

O pai no caso, tem um canal no YouTube e após esse vídeo estourar - Hoje está com mais de 2 milhões de visualizações, passou a relatar o seu dia-a-dia com a família. Claro, além de uma foto do garoto segurando um Optimus Prime e a Pequena Sereia como capa do canal. É, puro amor!

Bem, é uma pena que bons atos hoje em dia precisem de câmeras e publico, caso contrário são interpretados apenas como contos que as pessoas não se importam. Isso faz valer a expressão " De boas intenções o inferno está cheio".

Eu não vou inserir o vídeo aqui por motivos óbvios, não vou contribuir com os bon$ motivo$ do pai.


Via Leo S. que compartilhou no FB a notícia.

31 de julho de 2015

ANÁLISE: ANGRY BIRDS EPIC: UM ÓTIMO JOGO PARA SEU WINDOWS PHONE


Eu nunca fui muito chegado em jogos mobiles, principalmente pelo motivo de que, sei lá... jogar no celular algo que não seja tetris sempre pareceu algo estranho ao meu ver.

Essa era a minha opinião até então, pois como tudo na vida é uma grande ironia, com o passar dos anos o meu tempo livre foi se tornando cada vez mais escasso, e quando se ama jogos fica difícil não procurar algum joguinho para se distrair.

Porém, eu havia comprado um Windows Phone recentemente e rumores diziam que a biblioteca de aplicativos  e jogos eram tão escassas quanto as chuvas na cantareira. Só que no final das contas isso não passava de balela dita por fanboys de empresas. Sim,  falo de gente que defende empresa de celular cegamente.

A questão é que  sou usuário de Windows Phone, então decidi compartilhar com todos, aqueles jogos mais bacanas que encontrar na Window Store.




Angry Birds Epic é um free to play que joguei por meses em meu Lumia 520, e tenha certeza de que ele proporcionara horas e horas de jogatina, pois o mapa é enorme e com uma dificuldade relativamente alta.

As batalhas consistem em você selecionar o personagem e arrastá-lo com o dedo até o inimigo. E a cada ataque causado por você ou que você leve enche uma barra de especial que é exibido por uma pimenta.

Há um grande numero de itens para customizar os pássaros, e muitos não estarão disponíveis no inicio, o que vai exigir que você os evoluam primeiro.

Saibam que evoluir os personagens é uma tarefa árdua e muito divertida, talvez um pouco frustrante as vezes, principalmente quando se encontra com um porco inimigo bem mais forte que você, o que exige algumas horas de level grinding. E isso me levou a quase atirar o celular no chão - diversas vezes... sério, é bom ser paciente.

Os personagens são muito bem animados e não ficam devendo nada a outras versões, alias, não notei diferenças entre as versões lançadas para outros celulares.


Há também a possibilidade de usar os personagens dos seus amigos que também jogam Angry Bird Epic, contanto que eles tenham conectado sua conta do Facebook ao jogo.

Se você é usuário de Windows phone e está procurando por uma opção de jogatina nas horas vagas, saiba que esse jogo irá proporcionará horas e horas de diversão.

Obrigado por ler e até a próxima.

7 de julho de 2015

1º IMPRESSÕES | DRAGON BALL SUPER


Uma das coisas que eu sempre quis desde moleque era ter acompanhado o Dragon Ball desde o seu lançamento. O que praticamente era impossível visto que a internet discada ainda não havia aterrissado por aqui e, nossa unica fonte com esse conteúdo eram revistas como a Herói, que ouriçava a molecada e foi a porta de entrada de muita gente no mundo dos animes.

Eu fui um desses felizardos, pois tive contato com o anime Dragon Ball através de uma dessas Heróis.

Bem, a questão é que hoje eu tive o privilégio de assistir ao primeiro episódio da nova franquia do Dragon Ball, e que diferente daquela tosqueira que foi o Dragon Ball GT, aqui temos o grande Akira Toriyama supervisionando tudo, o que trouxe um grande alivio.

OK, chega de enrolação e vamos ao que interessa!

A apresentação de Dragon Ball Super é sensacional e fara com que você faça uma ligação automática com DBZ - Digo isso pelo fato de DB GT ter sido o último - E ver toda a turma se reunindo depois de 18 longos anos é coisa linda de ser ver. 


Eu tenho certeza de que se a icônica "Cha-la Head Cha-la" tivesse sido tocada, lagrimas teriam brotado de meus olhos e no de muita gente. Não que a música atual seja ruim, mas talvez não tenha sido tão impactante quanto foi a primeira vez que ouvi a música do clássico - Quem sabe depois de 100 episódios ela acabe caindo no gosto de todos nós.




Não quero soar como um velho resmungão, só que esse formato utilizado no filme Battle of Gods realmente não é tão rico quanto aos traços clássicos. Ele passa uma estética de desenho em flash - Como citada pelo meu amigo Tony Leite no Twitter - , não é nada que comprometa a diversão, mas também não me tira a ideia de que custos foram cortados.


Depois da apresentação você é levado ao momento em que Majin Boo esta sendo destruído pela Genki - Damma de Goku, e o narrador explica que após a saga Boo tudo ficou em paz. Em seguida Goku aparece dirigindo um trator, algo inédito para um personagem que nunca trabalhou. Goten surge em seguida e assume o comando, pois Goku queria treinar, mas Goten quase se mata pilotando.

Eu nunca vou entender a relação do Goku com os filhos, eles estão mais para irmãos do que pai e filho. Deve existir alguma explicação - ou não.

Esse episódio basicamente é uma apresentação dos personagem que provavelmente serão relevantes a saga. Por exemplo: Bills aparece destruindo metade de um planeta, pelo fato da comida oferecida não ser totalmente de seu agrado.



Quem assistiu Battle of Gods sabe que Bills e Goku não se conheciam até o filme, então podemos presumir que Bills não vai sair na mão com os guerreiros Z tão cedo.

O anime em si parece seguir para o estilo aventura de Dragon Ball, pelo menos esse primeiro episódio remete bastante. Aqui Goten e Trunks tiveram um espaço maior também e até saíram pra uma aventura em busca do presente de casamento perfeito para a Videl.

Eu não me importaria com essa linha mais Dragon Ball e menos porradaria frenética com 50 episódio para dar um soco. O universo do Dragon Ball é tão rico, que não revisitá-lo com os novos personagens seria uma pena.

Infelizmente o Vegeta não aparece nesse episódio, mas o segundo focara nele - pelo menos foi o que preview pareceu demonstrar.



Depois de ver o episódio por completo fica impossível não ter a sensação de que você acabou de assistir a um OVA. Talvez tenha sido pelo estilo flash, mas realmente fiquei com essa sensação.

Provavelmente os próximos episódios sejam uma apresentação do que alguns personagens andaram fazendo após a morte do Boo. Pelo menos esse é o meu chute, pois no segundo episódio já sabemos que será focado no Vegeta.

De uma maneira geral eu gostei bastante do retorno da franquia e irei acompanhar, estou intrigado pra ver como Bills será inserido nesse meio. Então não perca tempo e corra assistir, depois volte aqui e comente o que achou.

Por enquanto ficamos por aqui, obrigado por ler e até a próxima.


3 de julho de 2015

JAMES " O INCRÍVEL" RANDI | UM HOMEM QUE TODOS PRECISAM CONHECER


Vivemos um momento em que grande parcela das pessoas preferem acreditar em forças sobrenaturais a encarar os fatos de que existem explicações lógicas para quase tudo. E basta uma rápida passada pela internet para ver que o charlatanismo ainda está em alta e as vitimas ainda caem nos mesmos truques - paraplégicos que voltam a caminhar, depois do pastor curá-lo? Não fode!

24 de junho de 2015

ESPECIAL | COMEMORAÇÃO ATRASADA DE 4 ANOS DO BLOG


OH! MEU PAI! 

O Arquivos do Woo chegou aos seus 4 anos de vida e nunca fiz nada em comemoração - Apesar de nunca ter encontrado razões para o fazê-lo.

Hoje eu quero agradecer a todos os leitores e amigos que tornaram possível a existência desse humilde espaço de entretenimento. Sem os seus comentários ou mesmo ofensas - né Cicero342 e Felipe Souza - talvez esses 4 anos não tivessem sido possível.

Bem, isso é uma comemoração então irei fazer um pequeno resumo de como o Arquivos do Woo nasceu.


Recordo que quando criei o New Old Players o meu primeiro blog, eu sequer tinha um computador, mas estava tão empolgado com a ideia de interagir com a galera que escrevia sobre os jogos, que mandei emails para o criador do primeiro blog de retrô games que conheci, que por sinal pertencia ao Orákio Rob do ótimo e morto vivo Gagá Games.

Essa era a cara do New Old Players em 2011
Por um tempo foi muito bom ser parte daquilo, principalmente pelos debates que rolava no twitter. Todos eramos amigos, colegas e unidos, mas eu queria mais, pois estava cansado de fazer algo que todos faziam.

Claro, que existem pessoas fazendo o mesmo na internet, só que eu procurava pelo meu público e não alguém que me visitava apenas por ser do meio retrô e comentava sem ler o texto.

Sério, tem gente que faz isso.

Então resolvi criar o blog Woo Talks, que era para ser o meu espaço variado e por sinal nem lembro o que havia escrito por lá. Ele não vingou, então resolvi partir para o Woo Archives.


Com o Woo Archives eu me divertia bastante, tinha como meta falar sobre games, filmes e etc... Coisa que fiz no Arquivos do Woo logo após excluir o Woo Archives. Lá o problema era que sou uma negação mexendo no Wordpress, e isso unido a ausência de PC não ajudava.

Porém, eu peguei gosto por escrever assuntos diversos, então no dia 25/04/2011 eu criei o Arquivos do Woo, que teve o banner feito pelo grande Jorge Lucas, popularmente conhecido como Macho Gamer. Depois de um tempo eu troquei o banner por um feito pelo meu brother Juliano Nesbitt, criador do Retro News Forever e do canal NesbittTV




O começo foi ótimo e até consegui uma frequência, mas acabei abandonando o blog e a internet por quase 2 anos devido a diversos problemas na minha vida pessoal que por sinal tu pode ler o que houve na minha Retrospectiva 2012.

Foram dias difíceis, mas que passaram e me animam a escrever sempre, mesmo que as vezes demore um pouco - EU TENHO VIDA, NÉ!

Atualmente estou estudando, e isso consome tempo como todos devem saber e tenho um problema de atenção, o que me tira o foco das coisas ou seja me distraio fácil e isso é a maior merda. Eu também me "casei" então não dá para dedicar todo o meu tempo livre para o blog, mas tenho planos para tornar esse espaço cada vez mais bacana para melhor entretê-los.

Como podem ver o texto é bem curto, eu queria apenas mostrar um pouco da história e que vocês vissem o quanto o blog mudou no decorrer dos anos.

Eu gostaria de agradecer a muitas pessoas pelo apoio nesses anos, mas não quero ser injusto e correr o risco de esquecer o nome de algumas delas, então á vocês o meu mais sincero OBRIGADO, cês são foda!


Agradecimento especial ao Marvox do site Marvox Brasil e o Leonardo Soler do Game Gênius, que estão sempre próximo e dando aquela força e puxão de orelha.

Claro, vocês leitores são awesome demais, obrigado por me acompanharem todos esses anos.

Antes de encerrar, gostaria de pedir que todos me digam quais seções gostariam de ler com mais frequência aqui. Pode responder por comentários ou pelas redes sociais.

Então é isso, obrigado e beijos do gordo!