14 de janeiro de 2014

ALGUNS DOS MOTIVOS PELO QUAL NÃO GOSTO DE PIPAS


Poucos jovens sabem que a PIPA (papagaio, raia ou merda alada) foi criada na China por volta de 1200 A.C para ser usada como instrumento militar. Naquele tempo se você avistasse uma pipa no alto, provavelmente eram soldados enviando mensagens uns aos outros, enquanto nos dias de hoje não passa de sujeira visual. E como se não fosse o suficiente ainda causa acidentes em que não gosta dessa bosta.

Podem me chamar de velho rabugento, mas não existe nada tão feio quanto aquele emaranhado de linhas, rabiolas, tênis e linhas com pedaços de pedras enrolados na fiação da rua, postes, arvores ou qualquer coisa ao alcances dessas merdas aladas.

Os tempos mudaram, muito do espaço aberto foi tomado por prédios, casas e sem contar o numero de carros e motos que cresceram absurdamente. Não há como soltar pipas no meio de ruas como a 20 anos atrás, alias, naqueles tempos já não era recomendado o fazer na rua.

Porém, o que me motivou a escrever esse texto é que alguns idiotas ainda insistem em utilizar do cerol ou linhas chilenas E os riscos são enormes, principalmente nessa época de férias, onde uma molecada lazarenta insiste em fazer "rélinhas" no meio da rua e áreas com movimentação de carro e motos.

Todos nós estamos carecas de saber que essa merda pode matar, mas os pais de hoje em dia são tão idiotas e relaxados que enxerga a Pipa apenas como uma brincadeira de criança - Como se ainda estivéssemos nos anos 70, né tiazona?. 

Mal conseguem educar um, agora imagine fiscalizar três a quatro de seus filhos soltando pipas, principalmente em bairros mais pobres, onde grande parte ainda culpa o governo pela péssima educação que ela dá em casa, mas vende voto em troca de cesta básica.

Calma, eu sei que não sou todos, mas uns 85% da população mais humilde acham que o governo e a escola precisam educar e ensinar os princípios básicos da boa educação, quando na realidade tem que vir de casa.

Sim, eu sou chato e você já deve estar me chamando de gordo baleia com saco de areia enquanto vai a venda do "Seu Zé" comprar aquela linha chilena, pois amanhã vai ter "rélinha" com a galera da rua de baixo.

Estou cagando pra você moleque fio-da-puta!!

Acho um pouco difícil que um garoto não compreenda a gravidade de seus atos, pois se a linha corta a sua mão, não é preciso ser gênio para saber que ela pode arrancar cabeças.

Ah! Desculpa, esqueci que vocês vão a escola só pra zuar. Coitado dos seus pais - Ou não!

Sabendo que seus atos podem levar alguém a morte, vocês ainda ousa brincar com a sorte. Acredito que preciso mostrar alguns links e imagens interessantes para que alguns de vocês possam acordar para a realidade.




Eu fico um pouco chocado ao saber da morte de alguém tão jovem, principalmente por  por um motivo tão imbecil, mas o maior culpado pela morte seria a empresa de energia ou os país que não o educaram sobre os riscos?

Claro, talvez ainda não tenha ficado claro os riscos de soltar essas bostas nas ruas, então clique aqui e dá uma conferida no que acontece com as pessoas que estão do lado de fora da linha: 
Motivos para usar o cerol +18

Todos os acidentes envolvendo cerol são horríveis, então antes de se achar o máximo por ter cortado o pipa do vizinho em pleno ar, clique no link acima e confira o que sua linha pode fazer depois de solta no ar.

Eu nunca gostei de pipas, também não vou pedir para que as crianças sem tranquem em sua residencia e se tornem jovens obesos viciados em Big Brother.  Eles podem jogar bola, subir em arvores, praticar artes marciais, capoeira, brincar com seus brinquedos e até mesmo jogar videogames.

Existem muitas atividades interessantes para se fazer e tu quer logo soltar a porra de um pipa e ficar correndo entre carros e fudendo a vida alheia, acorda né.



Agora, você marmanjo que tem filhos e que aos sábados acha bonito soltar pipa no meio da rua, cê merece uma surra de pau. 

Você é quem deveria dar o exemplo, mas opta por deixar seu filho para ser criado na rua e esquece de passar algum valor moral a sua prole. Tenho certeza que ainda vive o lema de  "Eu cresci brincando na rua e não me tornei bandido", mas vai culpar o mundo pelas cagadas que seu filho cometerá.

Parasita dos infernos!

Bem, esse é o meu desabafo sobre essa onda de pipa que infesta as ruas durantes as férias. Eu sei que sou um pouco radical ao expor minha opinião, mas saiba que é a porra da minha opinião, pois o blog é meu.

Há locais apropriados para soltar-se pipa e tenho certeza que existem pessoas que fazem uso dele, porém, eu nasci e ainda vivo em um bairro humilde e aqui isso é recorrente. E quem vai contra os "costumes" acaba por ser taxado de arrogante.

Abaixo vocês conferem um vídeo em que o motociclista só não se machucou seriamente por causa da sua Go Pro:

video

Ah, antes de encerrar, peço a todos que gostam de pipas com cerol e estejam lendo esse texto, clique aqui e pense que essa poderia ser sua mãe ou pai.




6 comentários:

  1. Matheus Soares14/01/2014 22:49

    Falou bem acho esse negocio um saco pessoas brigando se matando por causa de um pedaço de papel e vara

    ResponderExcluir
  2. eu até soltei pipa e capocheta quando era criança e morava ai no jardim aero porto mas confesso que nunca fui muito fã, odiava quando eu estava jogando bola e jogo parava porque os caras saiam correndo atrás de pipa, dois amigos já morreram com choque ao tentar pegar pipa então é fácil dizer porque eu não gosto...

    ResponderExcluir
  3. Valeu maninho, fico feliz de ver alguém tão jovem consciente dos riscos. Obrigado pelo comentário ^^

    ResponderExcluir
  4. E olha que naquele tempo a criançada não era tão porra loca. Hoje em dia eles não estão nem aí é se enfia em qualquer buraco até de pipas.

    Um garoto em meu bairro quase morreu alguns anos atrás, subiu no telhado de uma casa abandonada atrás de pipa, só que o telhado cedeu e ele caiu.

    Ele nunca mais soltou pipa, hahahaha!

    ResponderExcluir
  5. Vampire Extreme01/12/2014 13:31

    É verdade gente morrendo por um motivo tão banal

    ResponderExcluir
  6. Sim, realmente é um grande absurdo, mas o problema infelizmente é cultural e sem perspectiva de mudança.

    ResponderExcluir