24 de julho de 2013

SE É PRA CURTIR POP, ENTÃO QUE SEJA PUNK GOES POP!


Quando adolescente, sempre tive o costume de cantarolar essas musiquinhas pop da moda, mas acrescentando um bom gutural, pois sempre senti falta de algo nelas. Eu me sentia o gênio da musica por fazer algo que até então ninguém tivesse pensado.

Não me julgue, pois naquela época eu não tinha internet e me divertia dessa forma. Era apenas um adolescente imaginando como seriam essa versões agressivas e brutais das musicas pop mela-cueca.

Bons tempos aqueles!

20 de julho de 2013

OS 6 JOGOS MAIS FRUSTRANTES QUE JOGUEI #02


Depois de um bom tempo sem me aventurar em games que me levam as lagrimas, resolvi retornar com mais essa lista dos games mais frustrantes.

Queria esclarecer a todos que os games listados aqui não são ruins, apenas difíceis ou possuem alguma fase ou uma particularidade que tenha me frustrado. O conteúdo é baseado em minha experiência pessoal e obviamente pode haver pessoas que nem tenham sofrido tanto com alguns dos games listados abaixo.

E se você não leu a primeira parte, basta clicar aqui - Boa leitura a todos!


Um game frustrante até o osso e que destruiu minha vontade de continuá-lo depois de diversas mortes. Morrer em um game é algo extremamente comum, mas The Immortal leva isso a um nível lazarento. Fui morto 20 vezes por uma maldita minhoca que insistia em me comer, era um passo errado e lá vinha à minhoca comer o velho.

Impossível não rolar um stress!

Bem, um dos atrativos do game é a violência, posso dizer que fiquei surpreso com o fato desse game ter chegado ao NES.

A dificuldade é marca registrada do game, pois é alta, extremamente alta, e tenho certeza de que os desenvolvedores devem se orgulhar por terem criado um game tão difícil quanto esse.



O nível de frustração desse troço é absurdo e irá traumatizá-lo pelo resto da sua vida. Então optei por acompanhar as jogatinas do Cosmão (Shugames) que zerou o game em um Retro Challenge e registrou o passo-a-passo para nós meros mortais.

Graças ao Cosmão, pude descobrir o final do game e nem precisei me frustrar para isso, então em forma de agradecimento visitem o SHUGAMES e agradeçam ao Cosmão por esse grande presente.


Conheço algumas pessoas que zeraram esse game, mas particularmente eu nunca consegui chegar ao seu fim. Milhares e milhares de inimigos, dificuldade extremamente alta e minhas habilidades em FPS equivalem a um matador de tartarugas, o que eleva a probabilidade de frustração.

O game é ótimo e provavelmente os amantes de FPS não devem ter sentido tanta dificuldade. Eu me diverti muito jogando, mesmo não saindo da 3º fase, mas o que importa é que pude explodir coisas e ter armas de grosso calibre em meu poder.

Só que chegar ao fim que é bom – NADA!

Muito da dificuldade se deve ao grande numero de inimigos, eles simplesmente brotam feito capim, mal podemos prever os movimentos. Mesmo me frustrando muitas vezes, BLACK é clássico do Playstation 2 e merece ser jogado caro leitor.


Eu sou um cara de cabeça-quente apesar de possuir uma expressão facial serena e fofa, algo que se perde quando me frustro com um game.  A expressão serena dá lugar a urros e berros, e me transformo em um maldito urso polar que acabou de perder uma focá, o que levam os vizinhos sensíveis a se assustarem.

No tempo que morei sozinho, uma vizinha preocupada veio até meu portão saber se estava tudo bem comigo. Foi constrangedor, apenas acenei com a cabeça e voltei a jogar urrando e berrando.

Maldito Ghoul´s Ghost!

O que me frustrou mais naquele tempo, foi descobrir que essa versão é a mais fácil. Como pode ela ser fácil?

Não interprete mal, eu adoro a história, adoro a arte, mas esse jogo é o cão chupando manga e fazendo careta, não só é difícil como obriga você a jogá-lo duas vezes - Como alguém pode ser cruel e desalmado ao ponto de obrigar o jogador a passar por todo o inferno duas vezes?

Malditos desenvolvedores!


Esse game eu comecei a pouco tempo no emulador de GBC para android, mas logo de cara ele te joga para batalhas com até sete inimigos ao mesmo tempo, o que te obriga a fugir muitas vezes, isso quando você consegue correr.

Dragon Warrior III (Dragon Quest no Ocidente) é um game que requer muita paciência e dedicação, pois é impossível seguir adiante sem passar um bom tempo upando o protagonista. 

A dificuldade é uma das marcas registradas da franquia Dragon Warrior, o primeiro que joguei até o final foi Dragon Quest VIII para Playstation 2, só ele rendeu mais de 100 horas de jogatina e após finalizar o jogo pela primeira vez e agradecer aos céus por concluir, descubro que foi desbloqueado um Plus, onde o game te leva a um certo ponto para que você siga um novo caminho, lá há uma Dungeon onde existem inimigos durões o suficiente para derrotar meus personagens no level 44.

Vocês não tem ideia do inferno que é para chegar ao level 44, são horas vagando a esmo e retornando a dungeons difíceis, apenas para abrir novos poderes e tornar os personagens fortes o suficiente para prosseguir com a história.

Acho que preciso pensar melhor se levo essa jogatina adiante!


Poucos devem conhecer esse game e logo vou dizendo que jogá-lo sozinho é loucura, recomendo sempre o modo Coop, assim você reduz o numero de vezes que certamente morrerá.

O game é difícil pra cacete, fases complicadas e chefes que farão com que você soque o chão feito louco varrido. Não que eu tenha feito isso e certamente não o fiz...

Há uma fase em especial que foi o meu inferno pessoal e que limou minha vontade de prosseguir, a fase da bomba relógio. Chegar até certo ponto do mapa antes de uma bomba explodir, é infernal quando se tem um mapa grande e complicado.

Joguem e depois em diga o que achou se quiser, me enviem links do gameplays para conferir, irei gostar muito.



Ninja Gaiden é difícil pra cacete, não consigo encontrar palavras para definir o desafio que esse game proporciona. São diversos inimigos atacando ao mesmo tempo seja no chão ou pelo ar, todos querem mandar nosso ninja ao inferno.

Falando em inferno, vocês o conheceram nas fases de pulos seguidos, pois são lá onde você é atacado por águias sedentas por sangue humano. Pobre do Ryu que não tem tempo nem para respirar, pois logo em seguida Picolos começam a atirar cruzes de madeiras, corredores surgem do nada, atiradores e até o Balrog aparece pra te socar.

É tanta coisa na tela ao mesmo tempo que você  realmente precisa ser um ninja para chegar ao final dessa jornada! Eu tentei chegar ao fim desse game, tentei e se você não acredita, apenas clique no ninja abaixo e veja com seus próprios olhos.


Existem algumas seres especiais que zeram o game com os olhos fechados e dando mortal de costas, mas se você clicou no ninja, provavelmente você viu um ser humano normal e não dotado dessa capacidade.

Ninja Gaiden pode ter transformado a vida de muitos gamers em um inferno, mas foi o desafio de zera-lo que o tornou um dos grandes titulo do Nes e posteriormente SNES. Ouvi dizer que os jogos atuais do Ninja Gaiden conseguem ser tão difíceis quanto os clássicos, alguém comprova tal veracidade?

Espero que todos tenham gostado da lista e deixem seu comentários e indicações de games frustrantes!

15 de julho de 2013

LISTA | 5 MOTIVOS PARA VOCÊ COMPRAR UM SUPER NINTENDO


Eu adoro o Super Nintendo, um dos consoles mais legais que já tive e apesar de não ter sido o meu primeiro console, foi o videogame que tive por mais tempo e isso me rendeu a milhares de jogatinas ao lado do meu velho e irmão, vale ressaltar que até minha mãe jogava conosco (Ela adora Fighting Games).

Pensando nesse carinho que tenho por esse grande console da Nintendo, cheguei à conclusão de que ainda existem diversos motivos para se ter um Super Nes, então, enquanto junta grana para comprar o seu XboxOne ou PS4, o que acha de reviver os bons tempos da Nintendo?

Quer alguns bons motivos?





A onda retrogamer trouxe diversos benefícios para quem gosta de jogos clássicos, você consegue comprar um console em bom estado por um preço bacana, mas como qualquer tipo de compra, você precisara filtrar muito.

Existem videogames que alcançam valores de até 5 000R$, um valor absurdamente alto para algo que provavelmente foi furtado do caminhão da Nintendo em 1996. Calma, não se assuste eu posso garantir que conseguira um console em bom estado e funcionando com apenas 150R$, basta fechar a aba do YouPorn e ir ao Google ou Facebook.


Isso mesmo, graças à rede social é possível encontrar grupos de vendas e trocas de videogames antigos, eu mesmo encontrei diverso consoles interessante e até mesmo um Jaguar – Aquele videogame de vida curta da Activision.

Outro ponto positivo é que não terá de se preocupar com BIOS, plugins e toda aquela tranqueira, sua preocupação se resumira a aquela assoprada básica no cartucho (que por sinal não é recomendável).



Assim como qualquer eletrônico que deixou de ser produzido, ele vai precisar de cuidados e manutenção, você não vai quer um console manchado e fedendo a urina de rato.

Certo?

Existem milhares de tutoriais pipocando na rede e muitos fóruns onde você pode buscar informações. Tenho certeza e garanto que com cuidado e empenho, você terá um console com aspecto novo e cheirando a limão, vai do seu gosto.

Para facilitar sua vida meu amigo Willi fez um tutorial ensinando você a limpar seu console, basta CLICAR AQUI e agradece-lo.



Um dos melhores Joysticks que a Nintendo já fez, esqueça aquela tranqueira criada para o N64. O Controle do super Nintendo é bonito, simples, eficaz e até a Sony copiou o modelo e acrescentou alguns detalhes pra não ficar com cara de plagio.

Essa é a prova absoluta que ele é o melhor joystick já criado e tenho dito!



Console comprado e limpo, agora é a hora que realmente vale à pena ter o Super Nintendo começar sua coleção.

Muitos rebatem a ideia de comprar o console original e seus respectivos games devido aos emuladores, mas jogar Super Mario em um emulador não é a mesma coisa, se atente ao prazer de ter os cartuchos em mãos, saber que você pode sentar-se em frente ao videogame e admirar sua coleção devidamente conservada e crescendo.

Segue a dica de alguns cartuchos que devem adquiridos, como o ...




Um item obrigatório a sua biblioteca de cartuchos, não existe meio termo. Você jamais irá jogar um game do Mario fora dos consoles da Nintendo e Super Mario World é um dos melhores games da franquia no SNES. Não importa o que digam, sempre será único e apesar de não tê-lo zerado 100% sozinho e me frustrar muito quando adulto, ainda acho ele único e maravilhoso.

Essa é minha opinião, então calma!



Possui os melhores gráficos já vistos em um game do SNES e surpreendeu a toda uma geração. Esse é mais um game que permaneceu exclusivo a Nintendo e gerou certo ódio pelos adeptos da SEGA, apesar de que naqueles tempos éramos todos amigos e jogávamos um na casa do outro, não rolava essa briga de putinhas fanboys. 

DKC não é um item obrigatório, mas sim ESSENCIAL, nem sei como não foi vendido junto do aparelho na época. DKC nos leva a uma aventura fantástica e embalada por uma das melhores trilhas sonoras já ouvi. O melhor de tudo é que você poderá jogar com sua namorada, namorado, marido ou esposa, no modo cooperativo. 

Own! Vocês ficaram lindos jogando Donkey Kong na sala!




TOP GEAR, é um dos simuladores de corridas mais famoso do SNES. É o preferido por muitos e isso se deve a sua trilha sonora marcante e sua ótima jogabilidade, algo que atraiu a todos naquela época e vem conquistando até os dias de hoje. 

Passava horas e horas jogando com meu irmão quando garoto, um dos poucos games que não terminava em briga.



Simplesmente é o meu game preferido de luta e considero indispensável para um detentor de Super Nintendo. Meu primeiro contato com esse game aconteceu graças a um vizinho, ele tinha comprado o Super Nes, e com ele acompanhava o cartucho do MK2. Depois de vê-lo jogar, meu irmão e eu precisávamos implorar a nossos pais para que pudéssemos ir a casa dele jogar. 

Nunca me esqueci da dica contra o primeiro oponente “Fique abaixado e aperte apertar B” bons tempos aquele!



Legend of Zelda - Link to the Past, é o cartucho no qual você precisa ficar esperto na hora de comprar, pois tem muito lazarento querendo enfiar a faca devido a procura por ele em perfeito estado e gravando.

Sabe o porquê dessa procura imensa?

Por que ele é um dos maiores games já criados para o SNES e foi concebido pelo mestre supremo da Nintendo Shigeru Miyamoto. Os gráficos são belos, a trilha sonora é maravilhosa e os personagem possuem fofura suficiente para fazer com que o Jigglypuff se suicidasse.




O único game de futebol que me agradava, cheguei a jogar algumas partidas de um game de futebol no PS1 e nem lembro o nome, mas não gosto de futebol. 

Odeio com todas as minhas forças! 

Porem adorava jogar com Allejo, Galfano, Carboni e outros nomes que não recordo agora, era pura diversão fazer o truque do juiz cachorro. Uma pena que esse tempo se foi e hoje o povo tem essa necessidade doentia de querer jogar com um jogador idêntico a vida real. É possível ver pessoas discutindo o quanto tal jogador em determinado game.

É O único game de futebol que realmente que vale a pena comprar e tenho dito!



Considerado por muitos o maior RPG já criado para o Super Nintendo. A equipe que criou o game foi apelidada de Dream Team, composta por grandes nomes do mercado de games da época e que nunca mais se uniram para fazer algo tão grandioso quanto Chrono Trigger. 

Infelizmente eu não joguei esse game até o seu fim, mas ele é uma experiência obrigatória a todo gamer. Comprar ele é motivo para ser invejado, não acredita em mim? Compre o cartucho e poste fotos na rede!

O feedback será gigantesco, pode confiar!



A Nintendo foi praticamente imbatível na era 8 e 16 bits, quem vivenciou esse maravilhoso tempo sabe o que estou dizendo.

As batalhas entre SEGA e Nintendo foram épicas e agraciou o publico gamer com jogos criativos e aventuras épicas. Talvez eu tenha esquecido diversos títulos ótimos e isso não o estimule a comprar um Super Nintendo, mas reviver esse tempo e conhecer a fundo a melhor fase da Big N vale cada segundo.


Agora caso eu não o tenha convencido e você, mas você quer se aprofundar e conhecer a biblioteca do Snes. Recomendo o blog SnesTalgia do meu brother Juan, totalmente dedicado a esse querido console.


Espero que tenham gostado do post e até a próxima!

9 de julho de 2013

CRÍTICA | POR QUE RESIDENT EVIL É UMA FRANQUIA DE FILMES RUINS? #2


Depois de dois filmes medianos e um terceiro que não vale nem a pipoca, Resident Evil: Afterlife (Recomeço aqui no Brasil) tentou ser melhor que os outros.

Tentou!

Após a luta com o Tyrant capenga e provar que possui superpoderes, Alice encontra milhares de clones de si mesmo. Como uma Alice é pouca, ela desperta todos os seus clones e segue rumo a central da Umbrella na tentativa de eliminar a corporação.

Felizmente essa empreitada termina mal e só serviu para mandar todos os clones para o inferno. Uma das novidades da trama é que Alice perde os superpoderes na luta contra Wesker, finalmente voltando a ser humana. Enfim ela será morta e o papel principal será protagonizado por Claire.

Só que não!

Falando em Claire, aqui ela encontra seu irmão Chris, que nada mais é que o cara do Prison Break e que nada tem a ver com Chris. Todos os personagens são porcamente adaptados e isso é algo que me irrita profundamente nessa franquia.


Bora cometer um suicídio em conjunto
Não há valorização ou profundidade nos personagens, não passa de meros coadjuvante na trama. Falo sério, acredite em mim!

Outro ponto que eu preciso desabafar com relação à série é que a vadia da Alice reclama em todos os filmes sobre os seus superpoderes, se chamando de aberração... meu sangue ferve!
Todo mundo nessa merda se transformou em algum monstro e a vaca continua linda, saltitante e matando tudo e a todos com golpes de karate.

Aberração é meu ovo esquerdo Alice! ...  Desculpe o desabafo, mas voltemos!

O filme é bem produzido, não posso questionar, porém, ressalto que Paul W.S Anderson não sabe fazer adaptações. Quem assistiu Mortal Kombat sabe o que estou dizendo, olha que eu ainda curto aquela tranqueira.

Resident Evil: Afterlife tem muitos defeitos no roteiro, algo que é marca registrada da franquia, mas ainda consegue divertir e tem uns efeitos competentes, mas seu sucessor pega a história toda e a estupra com tanta violência, que eu me senti violentado ao fim do filme.

Prepararem-se para... RESIDENT EVIL: Retribuição



Esse é o filme onde os roteiristas simplesmente cagaram no roteiro literalmente, aqui rola a maior suruba com os personagens e nada, absolutamente nada faz sentido com coisa alguma.

Umbrella criou diversos clones de Carlos, Alice e todos os protagonistas (exceto aquele inútil do RE: Apocalipse que morreu no 3º filme.) com o intuito de ver como reagiriam em um apocalipse zumbi.

Alice (clone) é casada com Carlos e possui uma filha, ambos levam uma vida normal exceto que na primeira simulação ela morre e a menina sobrevive, encontrando com a verdadeira Alice em certo momento do filme.

Calma, o filme vai piorar!

Alice acorda dentro de uma base subterrânea onde Jill a mantém em cárcere e propõem um teste – Matar milhares de pessoas, por simplesmente matar. Não podemos esquecer-nos das roupas novas, marca registrada da franquia e que não acrescenta porra nenhuma.

Sabe o que me surpreendeu nesse filme – BARRY BURTON!

Por que diabos inserir o Barry a essa altura da trama? Pior que isso é saber que eles ainda o matam. Temos o Leon também que por sinal não serve pra nada na trama, exceto enfrentar o esquadrão Carlos Clone, onde temos a Michele Rodriguez como a penúltima Boss e Jill como final Boss.

Sim, o final é uma bosta, nele Michele tem o mesmo poder da Alice, graças a uns vermes que a Umbrella criou, nenhuma novidade até aqui (Assisti 3 vezes pra tentar digerir esse filme).

Jill perde o besouro que controlava ela, Michelle é levada pelos zumbis do gelo e Alice se junta a Wesker na luta contra a Umbrella - Ele devolve os poderes de Alice e prepare-se para um sexto filme.
Pronto, já viu a Jill novamente, pode quebrar esse disco também.
Resident Evil é uma das piores adaptações já feitas para um game, só não perde para as adaptações porcas feitas por Uwe Boll, diretor que ficou famoso pelas péssimas adaptações. Eu assisti aos filmes deixando o foco dos games de lado, mas a história em si simplesmente chama o telespectador de idiota.

O T-Vírus causa mutações e na trama não há uma justificativa lógica para a não transformação de Alice, tampouco para Umbrella não conseguir controlá-la em nenhum momento. No filme somos apresentado ao Nêmesis e parte dos processos que o tornou o monstro que é, porém não há sinal do processo na qual ela passou.

Ela é pega cerca de três vezes pela corporação  Umbrella e em nenhuma delas o processo de controla-la funcionou. Um mega corporação que tem o governo americano no bolso, incapaz de controlar uma loira magrela.

PUTA QUE PARIU!

Não vale o stress então basta de Resident Evil dirigido pelo Sr. Paul W.S. Anderson e protagonizado pela Milla Jovovich.

Acabou, chega, até o próximo maldito filme e que Odin tenha piedade da nossa alma.

Ainda não leu a primeira parte? Cliquei aqui!

8 de julho de 2013

ANALISE | TROG - O BOMBERMAN DAS CAVERNAS [NES]



Olá meus caros leitores , sentiram saudades? Depois de um tempinho sem postar, retorno com uma nova dica de games e o escolhido foi o Trog, um jogo bacana do que foi lançado para os Arcades, mas ganhou sua versão NES, que é a qual eu joguei. Quase uma fusão de Pac-Man e Bomberman, combinação bem interessante e divertida pra cacete.

Nossa jornada tem inicio aproximadamente 230 milhôes de anos atrâs, nos tempos em que os dinossauros ainda caminhavam na terra, para ser preciso esse mundo tem um nome OG.

Lindo né?

Naqueles tempos imperava a lei da sobrevivencia, era o comendo o menor, sempre! Apesar de não soar legal, é bem isso mesmo o game. Em meio a esse come-come desenfreado, precisamos salvar os ovos dos nossos protagonistas pré-historicos Bloop e Spike e tentar se manter vivos dos ataques dos Trog´s.

O objetivo do game é fugir desesperadamente dos temiveis Trog´s e coletar todos os ovos espalhados pelos labirintos. Uma missão não muito facil já que com o passar das fases os Trogs vão se fortalecendo e mudando o padrão de ataque. Eles ficam mais esperto com o passar das fases e aumentam o numero de Trogs na tela, dificultando cada vez mais as proteger os ovos, fora os buracos que praticamente surgem do nada e nos leva a morte.


No inicio apenas ficam zanzando e nos perseguindo, mas basta um toque para que nos devorem ainda vivos e utilizando de garfo e faca, isso mesmo que você leu, GARFO E FACA, são Trogloditas avançados e com noção de modos a mesa. Bem, não somos tão indefesos já que há varios Power-Up espalhado pelo cenário, cada um deles com trazem atributos, como velocidade, força e também temos outros que servem apenas para nos atrapalhar, reduzindo nossa velocidade.

O melhor Power Up é o abacaxi que ao ser coletado, transforma nosso meigo personagem jurassico em um T- Rex sanguinario e faminto. Assim podemos contra-atacar comendo nossos perseguidores friamente e acreditem, após um tempo jogando ( blasfemando ), isso se torna muito prazeroso. O Formato do game lembra muito Bomberman, principalmente os Power Ups, mas ao coletar o abacaxi, logo nos vem Pacman.

Os criadores devem ter pego ideia emprestada ou copiaram descaradamente. TROG! Tem tudo para ser um Pac-man com gráficos melhores ambientado na pré-historia, mas ao unir duas idéias já aproveitada consegue certa originalidade, se é que se pode dizer isso.

A proposta do game é divertir e consegue se sair muito bem, os controles respondem bem e não frustra tanto quanto a dificuldade que sobre rapidamente. TROG apesar de não ser popular por essas bandas, conseguiu me divertir bastante e esse é um dos fatores que mais prezo em um game, então recomendo bro! 

Confiram no vídeo abaixo o gameplay do game, pois  não tive tempo de fazer screenshots e a qualidade de imagem que encontrei na rede era péssima.



Espero que tenham gostado dessa rápida dica de games e até a próxima.