31 de maio de 2013

A RELIGIÃO E SUA BABOSEIRA


Muitos devem ter vivenciado diversas brigas entre ateus e cristãos, cada um com seu argumento supostamente afiado, mesmo sabendo que jamais convencerão um ao outro. 
Eu mesmo já soltei os meus pitacos em alguns debates a respeito e quase fui esfolado vivo pelos “crentes”.

Não posso culpá-los, nossos pais nos ensinaram a temer a DEUS e obedecer aos ensinamentos da bíblia, pra que assim, nossa alma pudesse ser salva e não arder no mármore do inferno. Claro, os tempos são outros e conforme crescemos levantamos algumas questões, como;

Será que Deus existe?

Será que ele esta abençoando o meu perfil no Facebook nesse exato momento?

Se eu não compartilhar a imagem de Jesus na minha timeline, vai nascer uma verruga no meu pênis?

Se sangue é vida, meu vizinho é um vampiro por comer chouriço? 

O primeiro questionamento é o mais famoso e infelizmente nunca teremos uma resposta concreta, enquanto as demais possuem uma resposta negativa.

Bem, infelizmente a rede social se tornou uma extensão da fé de milhares de pessoas e obviamente milhares delas acredita que disseminando imagens com frases estúpidas, estão exercendo sua fé, apesar de achar tudo isso um tremendo chute nas bolas, sei que essas pessoas foram condicionadas a acreditarem e idolatrarem imagens, mesmo sendo contrário aos ensinamentos da bíblia, um livro que eles defendem com unhas e dentes, mas aparentemente não compreendem tanto, como insistem e gritar aos quatros cantos do mundo.

Geralmente são os católicos que possuem essa adoração excessiva por imagens e santos de todos os tipos, enquanto os evangélicos possuem doutrinas mais rígidas e no mínimo estranhas, como por exemplo, em algumas igrejas, as mulheres são proibidas de se depilarem, não podem cortar o cabelo (Supostamente um véu natural, segundo os próprios), enquanto os homens precisam estar devidamente barbeados, cabelos cortados e trajando um terno, independente dos 40ºC lá fora, assim como a bíblia em baixo do braço, muito útil para absorver o suor das axilas.

Hoje em dia existem milhares de mulheres batalhando pela autonomia do seu corpo e direitos, enquanto a religião ainda opta por tornar a mulher submissa as vontades do homem, só por que um livro velho diz isso.

Não parece muito certo pra mim!



Bem, acho que as doutrinas, por mais absurdas que possam parecer, ainda não é o maior problema, devemos lembrar que pessoas inteligentes utilizam da fé dos humildes em busca de enriquecer com facilidade. A igreja se tornou um negocio extremamente rentável, principalmente no Brasil e outros países do terceiro mundo, onde cultura, educação e saúde não são prioridades, assim, tornando o povo sucessível a acreditar em qualquer besteira, contanto que profiram “DEUS” e “MILAGRES” aos menos afortunados.


Não estou defendendo a igreja católica, a inquisição é uma mancha na história e até os dias de hoje, é possível ouvir diversas polemicas envolvendo o nome da igreja, como estupros, pedofilia e padres pagando boquete em bosques e outras coisitas.

A evangélica também possui seus defeitos, como lavagem de dinheiro, degustação de sêmen abençoado, jeba santificada, tijolinhos de plástico abençoado e o exorcismo, que acontece todos os dias, diferente da católica, que opta por um exorcismo raramente e quando o faz, tem a história vendida a estúdios e se torna um ótimo filme.

As testemunhas de Jeová optam por matar seus filhos, caso esses necessitem de transfusão de sangue, mesmo sendo casos de vida ou mortes, exceto aqueles onde há intervenção jurídica e salvam aqueles que tem a decisão final na mãos de fanáticos.
 
Eu não estou criticando o seu direito de acreditar em DEUS, acreditem naquilo que lhe traz conforto e que não afete de forma negativa a vida das pessoas a sua volta. Isso se você realmente se importa com as pessoas que você ama, caso contrário, por favor, se mate!

Postar fotos de Jesus e pedir a DEUS por bênçãos no Facebook não o torna uma pessoa mais cristã, só mostra que você é um idiota, mas se você leitor, realmente acredita que defuntos possam voltar à vida, porque não se mata?

Não acredita na ressurreição bro?

Obs: Querem ver um cara defendendo sua crença de forma não preconceituosa e coerente?


Gerson Varges tem meu total respeito!


 

25 de maio de 2013

THE LAST STAND | ARNOLD SCWARZNEGGER VOLTANDO COM TUDO


Depois de 8 anos sem matar ninguém (exceto em Mercenários 2), o Mr. Olímpia volta a ativa e acreditem, a idade não parece ser um obstaculo para essa maquina de matar austríaca. Claro, ele não possui a agilidade que tinha 20 anos atrás, mas convenhamos, ele nunca precisou correr pra isso.

Aqui temos um Arnold mais velho, cansado e  ainda com a expressão de uma geladeira velha, capaz de causar medo aos mais sensíveis.

O enredo do filme é simples, o chefe de um dos cartéis mais cruéis de todos os tempos, será levado ao corredor da morte, mas como todo bom chefe de cartel, tinha um plano de fuga e durante o transporte, seus amiguinhos resolvem ajuda-lo a fugir, pois ver aquele que paga o seu salario ser executado não é interessante pra ninguém.


Milhares de agentes mortos depois ele consegue fugir em carro esportivo modificado, como esse;

Lindo né?
Em posse desse super-carro, tem inicio uma perseguição acirrada que termina com, mais agentes sendo mortos pelo Mach 5. Enquanto isso, em uma cidadezinha no meio do nada, próximo a fronteira do México e  com um nível de violência tão baixo, que as únicas ocorrências registradas são as bebedeiras do Rodrigo Santoro.

É nessa cidade calma que o xerife Ray (Arnoldão) reside e descobre que os capangas do chefão do crime estão construindo uma ponte para facilitar a ultrapassagem do Boss ao México. Com um senso de justiça grande o suficiente para motivar todo o contingente de policial do Brasil.  Ray, une seus policiais (apenas 3) e se preparam para não deixar que o chefão brinque em seu quintal.


Cenas de ações radicais com o Mach 5, tiroteio e muitas balas perdidas, bandidos caindo como moscas e habitantes que parecem não se importar com a guerra acontecendo do lado de fora de suas residencias.

O filme é do cacete meus caros, um filme de ação sem muita lógica e com exageros, tipico dos filmes de ação do passado. O mais legal de tudo é que, em nenhum momento você verá Arnold chutando bundas como 20 anos atrás, pois ele esta velho e isso é bem aproveitado no filme, pois você percebe na lutas corporais, que são limitadas a lançar o oponente no chão com força, muita força.


Há momentos engraçados e todos eles acontecem por culpa de Johnny Knoxville e Luiz Gusmán (Adoro esse cara), que são a veia cômica do filme. Temos um garota bonitinha também, só para aliviar um pouco a festa da salsicha que é o filme.

Não posso deixar de falar de um dos grandes vilões de todos os tempos de Hollywood, Peter Stormare, pois se existe um personagem filho-da-puta e sem coração, tenha certeza que Peter será convidado e interpretará magnificamente.

Eu sempre me perguntei, quando haveria um novo filme só do Arnold e após assistir "The Last Stand", pude confirmar que sempre será foda!


Recomodadíssimo aos amantes de um bom filme de ação!

19 de maio de 2013

SPEC OPS THE LINE | UM JOGO ÚNICO E QUE TODOS DEVERIAM JOGAR


São muito poucos os games atuais que tenho interesse em jogar, mas reconheço que as vezes me surpreendo com alguns títulos não tão badalados.

Spec Ops: The Line é um desses que me surpreendeu bastante, já que nunca tivera contato com a franquia e ao jogar a demo desse game no ano passado, fique extremamente empolgado.

Graças ao meu primo, que me presenteou com o jogo, finalmente pude jogar até o fim esse magnífico game.

O game é repleto de cenas emocionantes e ação constante, colocando o jogador a todo o momento em fogo cruzado. É como viver um filme do John Woo, mas com um roteiro tão impressionante que você irá chorar com o desfecho - E compartilhar com todos seus colegas o quanto esse game é impressionante.



Eu não chorei, mas senti que a areia de Dubai irritou meus olhos, devo ser alérgico, deve ser isso.


O roteiro do game foi baseado no livro “Heart of Darkness (Coração das Trevas)” do escritor Joseph Conrad, que é homenageado no game.
O jogo nos tem inicio quando Capitão Walker, Sargento Adams e o Tenente Lugo chegam a Dubai, pronto para executarem uma missão de reconhecimento aparentemente tranquila, exceto pelo fato de encontrarem corpos de soldados do 33º comando mortos.



Logo Walker se vê perdido em uma cidade tomada pela guerra e sem meios de contatar o mundo exterior, a não ser por uma estação de rádio, onde o locutor narra ter conhecimento dos três soldados e que suas vidas estão prestes a acabar.

Galera, nossos personagens chegam ao fim do game praticamente destruídos, braços quebrados, perca de coro cabeludo, orelha, queimaduras no rosto, eles tem de superar ondas e mais ondas de inimigos, com armas cada vez mais pesadas, bombas, fósforo branco e até helicópteros metralhando prédios inteiros, só para matá-los.

Os gráficos são muito bons, mas é possível notar o uso em excesso de claridade para cobrir algumas imperfeições, mas esses detalhes passam despercebidos, pois a história e a ação envolvem o jogador com muita facilidade.



A trilha sonora do game é perfeita e consegue abraçar todo o conteúdo visual de uma forma surpreendente. Vale ressaltar que as dublagens são ótimas, principalmente a do locutor de rádio.

Apesar de possuir três personagens, controlamos apenas o Capitão Walker, sendo seus dois parceiros, Sargento Adams e Tenente Lugo controlados pelo computador, mas extremamente competente apesar de cometerem algumas cagadas, tipo, ficarem em pé sendo alvejados, mas isso não ocorreu com muita freqüência em toda a jogatina.

Eu não sei qual foi a nota que esse game recebeu de sites e revistas, mas ele recebe a nota 8.5, pois é extremamente foda. Esse vai para a lista dos melhores games que joguei em 2013, então não perca tempo e compre sua copia.

6 de maio de 2013

FINAL FIGHT 3 | QUEBRANDO TUDO NO SNES


Olá caros leitores! 

Como puderam conferir sou péssimo para lidar com agendas, mas nem por isso deixarei de postar as Dicas de Games. Hoje apresento a vocês um grande clássico da Nintendo e que por sinal me divertiu no passado e ainda me diverti muito nos dias de hoje, então espero que gostem. 

Vamos lá!

O game foi lançado no ano de 1995 e foi recebido com entusiasmo pelos fãs da franquia que ansiava por um novo titulo da franquia na época. 

Bons tempos esse da Nintendo! 
Jogar esse game com um amigo eleva o fator replay e sendo consideravelmente difícil (porém mais fácil que seus antecessores) ambos proferiram palavrões e altas risadas com as cacas que podemos fazer. Como acertar seu parceiro acidentalmente sendo que ele esta com a barra de energia no fim e em sua ultima vida.

Impossível não proferir palavrões né! 

Uma nova onda de vandalismo e violência tem crescido em Metro City e todos os atentados são atribuídos a Skull Cross, a nova gangue Bad Ass que assumiu após a erradicação da Mad Gear no game anterior.

Tudo é só mais um pretexto para o ex-prefeito Haggar convidar seus amigos e saírem pelas ruas de Metro City, proporcionando dor, muita dor e mais pancadaria para o nosso deleite. 

Uma novidade nesse titulo é a barra de especial, semelhante aquelas do Street Fighter, porém aqui eu nunca consegui soltar aquela droga. Sério, como diabos libera os especiais, só consegui fazendo cachorro louco com o controle.


Outra novidade é a inclusão de 2 novos personagens, sendo eles Lucia e Dean e para complementar, cada personagem tem uma característica em seu especial que resolvi listar abaixo;

Dean (novato): É a cara do Charlie (Street Fighter Alpha) com o poder elétrico de Blanka (mais um Street Fighter), adora eletrocutar seus inimigos, e tem um ótimo ataque quando se encontra rodeado de inimigos.

Haggar (Veterano): È quase um super sayajin, não envelhece, esta duas vezes mais forte do que antes, e seu bigode continua vistoso. 

Guy (Veterano): Depois de um tempo treinando com Ryu, aprendeu a habilidade do Hadouken, porém não consegue utilizar com a mesma eficiência. Mas ao menos continua sendo o mais rápido do game seria estranho se fosse lento, uma vez que pertence a uma família de ninjas. 

 Lucia (Novata): Simplesmente é bela, ágil e tem o poder de espancar o inimigo de forma brutal utilizando somente suas pernas e em seu especial, ela finaliza com uma giratória aérea capaz de incinerá-los, Vamos dizer que ela tem o poder do fogo e possivelmente foi treinada pelo Chuck Norris. 

 O game é tão bom e fácil utilizar dos controles que pode ser jogado até mesmo pelo seu avô que nunca pegou um controle de game na vida, mas o único problema em minha opinião é o tempo de jogo, mas isso se deve ao fato de ser divertido e fácil.


Personagens carismáticos e bem desenhados, cenários coloridos e com objetos para serem destruídos, trilha sonora cativante, apesar de não ser a melhor da série. Conclusão Final Fight 3 é um ótimo jogo e se você ainda não o jogou, então o faça enquanto vivo, pois vale cada segundo!